Um estudo confirma que a mina de ocre vermelha mais antiga da América do Norte e do Sul está no sudeste de Wyoming

Escavações arqueológicas lideradas pelo arqueólogo do estado de Wyoming e pesquisadores da Universidade de Wyoming confirmado que uma antiga mina no sudeste de Wyoming foi usada há quase 13.000 anos para coletar ocre vermelho. Esta descoberta significa que o local de Powars II é a mina de ocre vermelha mais antiga documentada e a mina mais antiga da América do Norte e do Sul. Kamila Kudelska, da Wyoming Public Radio, conversou com o arqueólogo do estado de Wyoming Spencer Pelton sobre a descoberta.

Spencer Pelton: Ainda não sabíamos se havia depósitos intactos no local. Suspeitávamos que houvesse… que todos esses artefatos vinham desse tipo de tapete de minério de ferro e hematita que podíamos ver meio empoleirado em uma colina. Mas ninguém ainda havia escavado aquele depósito. Então, meu objetivo ao entrar neste local era documentar se havia ou não depósitos intactos. E se houvesse, para ter uma boa compreensão de como esse sítio arqueológico se formou, quantos anos ele tinha e que tipo de atividades estavam acontecendo lá… realmente especificamente para confirmar que as pessoas estavam realmente extraindo hematita no sítio. E não era apenas esse estranho acúmulo de artefatos, mas na verdade era uma… basicamente uma mina de tinta vermelha.

Camila Kudelska: E então o que você descobriu?

SP: Conseguimos descobrir muito mais do que eu imaginava. Pudemos confirmar que, sim, é uma pedreira de hematita. E além disso, obtivemos muitos ossos bons para datação por radiocarbono, e pudemos mostrar que é a pedreira de hematita mais antiga do Hemisfério Ocidental. Além disso, conseguimos estabelecer, mais ou menos, diferentes fases de uso do local desde os estágios iniciais em que as pessoas foram pioneiras nessa pedreira, deixando para trás um homem-pau de rejeitos da pedreira. E então podemos realmente ver o que as pessoas voltaram centenas de anos depois, e tiveram que escavar através dos rejeitos da pedreira dos pioneiros do local, basicamente, para chegar a esse mineral novamente, e eles reutilizam o local novamente mais tarde . Assim, fomos capazes de obter uma compreensão muito sutil, bastante sutil, de como o site foi usado durante um período de 1.000 a 1.500 anos, entre mais ou menos, como 13.000 e 11.500 anos atrás.

READ  30 Melhor perdas necessárias para você

KK: Então você está dizendo que esta é a mais antiga mina de ocre vermelha conhecida no Hemisfério Ocidental, certo?

SP: Sim é. E há apenas cinco dessas coisas neste momento que foram identificadas. As outras estão em Yucatán, uma no Peru e uma no Chile. É isso. São sítios arqueológicos super raros. Sempre que você estiver brincando em um riacho e pegar uma pedra vermelha, você a chama de pedra pintada e pode desenhar em si mesmo ou qualquer outra coisa. Isso é tecnicamente hematita. Mas hematita como essa, que é basicamente extraída de um depósito de minério de ferro, se forma a partir de um depósito de minério de ferro, é realmente rara. Se você pensar em mineração neste país, depósitos de ferro, depósitos de ferro realmente ricos, não são tão comuns e essa hematita está se formando nele. Portanto, é uma coisa bastante incomum em geral, e encontrar evidências de pessoas minerando quase 13.000 anos atrás é sem precedentes, basicamente.

KK: Então, qual é o significado de encontrar isso?

SP: Acho que o significado mais amplo é que a tinta vermelha parece ter desempenhado um papel muito importante na vida dos paleoíndios nas planícies e nas montanhas rochosas. Nós a encontramos basicamente em todos os contextos que existem no registro arqueológico da época – enterros e esconderijos, animais mortos, no chão das casas. Tem havido muitas ideias sobre por que as pessoas se sentiam tão atraídas por essas coisas ou para que as usavam. Algumas das explicações mais funcionais eram que era usado para tratar couro. A hematita parece ter algum tipo de propriedades anti-sépticas que fariam com que trabalhar com ela fosse uma coisa boa. As pessoas sugeriram que tem sido usado em protetor solar; você pode espalhá-lo em si mesmo para manter o sol. Mas também há aplicações muito menos práticas disso. Quero dizer, entre os nativos americanos modernos, é usado para uma série de propósitos rituais e simbólicos, usados ​​para desenhar arte rupestre. Basicamente, apenas usado em todas as partes da vida entre os paleoíndios, pelo menos parece. Então, acho que o contexto mais amplo do local é que encontramos isso, encontramos esse ocre vermelho, locais de hematita, em todas as planícies, de Dakota do Norte, no Colorado, Texas, e depois por todo o oeste até as Montanhas Rochosas. Eu suspeito fortemente que muito dessa hematita veio deste site, o site Powars II. Este era um lugar onde as pessoas vinham de uma distância realmente longa, ou pelo menos negociando por essas coisas a uma distância muito longa, durante os primeiros milhares de anos da pré-história humana na América do Norte.

READ  Corpo de João Alberto, morto após espancamento em unidade do Carrefour, é velado em Porto Alegre | Rio Grande do Sul

KK: Você pode pintar uma imagem de como era quando eles estavam lá? Eles estavam minerando e criaram uma comunidade e é por isso que todos esses artefatos estão lá?

SP: Eu imagino isso como um hangout. Imagino que havia um acampamento bem próximo. Provavelmente era um lugar bem movimentado, cheio de pessoas raspando peles, cozinhando carne, esse tipo de coisa. E, você sabe, logo acima da colina, há a pedreira de tinta vermelha. E então você vai até lá, talvez com alguma pedra para tirar uma soneca, e você vai para a pedreira de hematita. Seu amigo estaria ali cavando hematitas, tirando ocre do chão. Você pode estar sentado cochilando uma ponta de projétil, consertando sua lança. Certamente parece que, pelo menos no primeiro período de uso, não eram apenas pessoas subindo e cavando hematita. Eram pessoas se reunindo com suas ferramentas de pedra e realmente trabalhando em coisas. O interessante, porém, é que, na fase posterior de uso, pudemos ver onde as pessoas escavavam os rejeitos das pedreiras das ocupações anteriores. Isso parece muito focado apenas na pedreira de hematita. Onde as pessoas estavam aparecendo, era um destino. E, a essa altura, era uma tarefa muito difícil chegar a essa hematita, porque o uso anterior havia acabado de acumular alguns metros de profundidade de rejeitos de pedreira em cima do mineral. E provavelmente levaria dias para escavar através daquelas coisas para realmente chegar ao depósito de hematita. A ocupação posterior parece muito mais focada apenas em chegar ao mineral, extraí-lo e depois seguir em frente.

KK: Existem mais pesquisas ou perguntas que todos vocês têm sobre o site Powars II? Ou está meio estagnado agora?

READ  Cléber Machado lamenta mortes de Marcelo Veiga e Paulinho: ano difícil

SP: Acho que a maior linha de pesquisa que estamos buscando agora é apenas tentar definir a geoquímica do mineral para que possamos realmente começar a fornecer a hematita para esses outros sítios arqueológicos onde encontramos ocre vermelho. Porque você não pode simplesmente olhar para um ocre vermelho e dizer, ‘Sim, isso é do site Powar II.’ Tudo parece semelhante, especialmente depois de ter sido incorporado ao registro arqueológico. Tem sido mexido nos últimos 12.000 anos da pré-história. Então, agora, estamos apenas tentando definir a geoquímica dessa fonte de hematita em particular e como ela se compara a outras fontes de hematita nas planícies e nas Montanhas Rochosas. E tentando construir uma compreensão de onde esse ocre estava realmente indo, quais distâncias ele estava atravessando as planícies, e quais direções e em que horas. Essa é, eu acho, a parte mais empolgante da pesquisa, pelo menos para mim, é fazer coisas não necessariamente no próprio site, mas em todos os outros sites que estão potencialmente conectados a ele nas Planícies do Norte nas Montanhas Rochosas.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1SERGIPE.COM.BR PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
N1 Sergipe