Temporada de incêndios florestais no Brasil em andamento e aumentando a preocupação

RIO DE JANEIRO (AP) – Começou a temporada de incêndios florestais no Brasil e os primeiros dados somados à forte seca estão gerando preocupação de que a destruição em todo o país em 2021 permaneça nos altos níveis registrados nos últimos dois anos, apesar dos esforços para conter os incêndios .

A agência espacial do governo que usa satélites para monitorar incêndios relatou mais área queimada no mês de julho do que em qualquer julho desde 2016, de acordo com dados divulgados quinta-feira. O mesmo aconteceu em junho.

A maioria dos incêndios brasileiros são feitos pelo homem, geralmente iniciados ilegalmente por grileiros que derrubam a floresta para o gado ou plantações. Os incêndios tendem a aumentar em junho e atingir o pico em setembro, de acordo com dados históricos. Eles podem facilmente ficar fora de controle durante a estação seca, queimando grandes áreas de floresta até o solo.

O Brasil abriga a maior floresta tropical e pântanos tropicais do mundo – a Amazônia e Pantanal – que viu incêndios dramáticos em 2019 e 2020, respectivamente, que causaram a maior perda anual de florestas desde 2015. Isso atraiu críticas globais à resposta do governo do presidente Jair Bolsonaro, que repetidamente apelou ao desenvolvimento da região.

Este ano, é a savana do Cerrado que se estende pela região centro-oeste do Brasil que está sofrendo mais do que o normal. Uma área quase tão grande quanto Connecticut e Nova Jersey queimou ali nos primeiros sete meses de 2021.

Ane Alencar, diretora científica do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia, disse em um painel online em 27 de julho que houve menos incêndios na Amazônia este ano devido ao clima frio, o que limita o potencial de propagação do fogo. Mas o desmatamento continua no mesmo nível dos últimos dois anos, tanto material seco permanece no solo esperando para ser queimado, acrescentou ela.

READ  Brasil recebe pedido dos EUA para negociações sobre patentes de vacinas

“Tenho medo dos próximos meses”, disse Alencar, que também é coordenador da MapBiomas Fogo, que compila dados sobre desmatamento e queimadas na região. “Quando essa frente fria passar, a vegetação vai ficar mais seca e aí teremos temperaturas mais quentes. … Não tenho certeza de que as pessoas que derrubam a floresta não vão acendê-la. ”

Citando o risco elevado devido à pior seca no Brasil em nove décadas, os ministérios da Justiça e do Meio Ambiente anunciaram no dia 22 de julho uma força-tarefa para prevenir e investigar incêndios em 11 estados dos biomas Amazônia, Pantanal e Cerrado. Cerca de 6.000 pessoas, incluindo policiais federais e estaduais e bombeiros, bem como autoridades estaduais de segurança pública e meio ambiente, participarão do esforço, de acordo com um comunicado.

Em 29 de junho, Bolsonaro decretou a realocação de soldados para a Amazônia para combater incêndios e desmatamento, e também emitiu uma proibição de 120 dias contra incêndios não autorizados.

No entanto, medidas semelhantes em anos anteriores não impediram incêndios ilegais. Mais de 90% dos focos do Pantanal detectados em 2020 vieram depois de uma proibição presidencial semelhante, segundo Vinícius Silgueiro, coordenador de inteligência territorial do Instituto Centro da Vida de Mato Grosso.

“A sensação de impunidade é muito alta. A fiscalização está bem abaixo do necessário ”, disse Silgueiro.

No Mato Grosso, com metade de seu território na Amazônia, os governos federal e estadual começaram no ano passado a coordenar ações para acabar com a sobreposição que frequentemente deixava outras áreas desguarnecidas e vulneráveis, segundo Mauren Lazzaretti, secretário estadual de Meio Ambiente.

O estado também está comprando um helicóptero e planeja implantar dezenas de aviões emprestados por fazendeiros e empresas do Pantanal para lançar retardantes de fogo nas chamas.

READ  Inter entre os clubes da Série A que se organizam para trazer jogadores sul-americanos de volta o mais rápido possível, Italian Media Report

No ano passado, mais de 4 milhões de hectares (cerca de 15.000 milhas quadradas) do Pantanal ardeu em chamas, ou cerca de 27% de sua área – de longe o maior desde o início dos registros oficiais em 2003. Enquanto o bioma se regenera rapidamente, ao contrário da floresta tropical, os incêndios costumam matar a vida selvagem local, como onças, jacarés e ariranhas.

“O tamanho dos incêndios do ano passado chamou a atenção da sociedade para o componente da responsabilidade individual”, disse Lazzaretti. “O engajamento de cidades, agricultores e até comunidades tradicionais e indígenas é muito maior este ano.”

No ano anterior, incêndios na Amazônia despertaram preocupação global, e vários governos europeus criticaram abertamente o governo de Bolsonaro. Bolsonaro rebateu que os incêndios em todo o país e na Amazônia, embora tenham aumentado em relação a 2018, estiveram aproximadamente em linha com a média dos anos anteriores e diminuíram drasticamente em relação aos 15 anos anteriores. Ele pediu aos líderes europeus que cuidassem de seus próprios quintais.

Estudos anteriores mostraram que a Amazônia absorve cerca de 2 bilhões dos 40 bilhões de toneladas de dióxido de carbono que o mundo emite na atmosfera a cada ano, tornando-se uma parte importante do esforço global para conter as mudanças climáticas. Mas estudo liderado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil, publicado na Nature em 14 de julho – abrangendo 10 anos e envolvendo quase 600 sobrevoos – descobriu que a intensificação da estação seca e o aumento do desmatamento causaram mais incêndios e maiores emissões de carbono. A parte sudeste da Amazônia, particularmente devastada pela exploração madeireira, tornou-se uma fonte líquida de carbono.

Paulo Artaxo, professor de física ambiental da Universidade de São Paulo e membro do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, disse que outros estudos recentes mostraram que até mesmo a região mais preservada da Amazônia Ocidental é agora neutra em carbono em termos de emissões, embora alguns anos atrás, era um sumidouro de carbono.

READ  30 Melhor A Ovelha E O Dragão para você

Carlos Nobre, um importante climatologista, diz que a Amazônia brasileira está se aproximando de um “ponto de inflexão”, após o qual a densa selva deixará de gerar umidade suficiente para sustentar sua forma atual e começará a se transformar em savana tropical.

Nobre disse que o governo de Bolsonaro ainda não demonstrou qualquer mudança encorajadora na abordagem para ajudar a salvar a floresta tropical.

O governo federal “continua incentivando o crime organizado na Amazônia, responsável pelo roubo de madeira, desmatamento ilegal e queimadas”, afirmou. “Aqueles que praticam esses crimes não deram nenhum sinal de preocupação que a fiscalização se tornasse rigorosa. Eles continuam a se sentir bastante fortalecidos. ” ___ Álvares tem sede em Brasília. O escritor da AP David Biller contribuiu.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe