Startup brasileira Tractian obtém selo de aprovação da Y Combinator para sua tecnologia de monitoramento de equipamentos

Igor Marinelli e Gabrielle Lamirineha cresceram em torno de fábricas. O pai de Marinelli trabalhava na International Paper em uma fábrica fora de São Paulo, enquanto o pai de Lemirinhas trabalhava em uma fábrica de cimento.

Ao longo de suas vidas, os dois amigos ouviram seus pais reclamarem do lamentável estado de manutenção e monitoramento dos equipamentos pesados ​​dos quais suas fábricas dependem para sobreviver e operar.

Então, os dois homens decidiram fazer algo a respeito e começaram a desenvolver a tecnologia que se tornaria Tractian.

Amigos da época da Universidade de São Paulo, Merinhas e Marinelli mantiveram contato enquanto Marinelli fazia carreira nos Estados Unidos como empresário. Eles se reconectaram no Brasil após o colapso da tentativa de Marinelli de lançar um serviço preditivo para uma condição crônica de saúde chamado BlueAI.

Marinelli passou algum tempo trabalhando em uma fábrica de papel e se tornou um engenheiro de software para a instalação. Lá ele viu o mau estado das ferramentas de relógios industriais.

Ele decidiu com Lameirin que poderia haver uma maneira melhor. As fábricas no Brasil não estão equipadas com redes Wi-Fi, gateways ou outras tecnologias de rede exigidas pelas soluções mais recentes de empresas como Siemens ou Schneider Electric. Marinelli disse que a integração com o software ERP existente de empresas como a SAP é outro problema.

“Apenas as indústrias de grande capital podem passar por essa bagunça”, disse Marinelli.

Os sensores Tractian medem quatro coisas: vibração, temperatura, consumo de energia e uma escala de tempo para medir há quanto tempo uma máquina está operando. A empresa também desenvolveu um software que pode analisar dados de sensores para prever quando um dispositivo pode precisar de manutenção.

READ  O pai de Alison Baker, 57, está se afogando no Brasil

A Y Combinator achou o pacote de software e hardware convincente, assim como investidores como Soma Capital, Norte Ventures e investidores anjos, incluindo Alan Rutledge e Immad Akhund.

A tecnologia Tractian custa US $ 90 para sensores, análise e software mais US $ 60 por mês para cada sensor. Marinelli afirma que o serviço pode se pagar em apenas dois meses. Na verdade, a empresa se registrou na AB InBev como cliente principal e tem quase 30 compradores no total com seus sensores.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1 Sergipe