Reimaginando as relações China-Brasil sob o cinturão e a iniciativa rodoviária: o imperativo do clima

Rogiero Stoddart é Senior Fellow do World Resources Institute e não residente do Center for International Relations no Brasil. Margaret Myers é a Diretora do Programa para a Ásia e América Latina da Inter-American Dialogue. O Conselho de Relações Exteriores expressa seu agradecimento à Fundação Ford por seu generoso apoio a este projeto.

A primeira década do século XXI testemunhou um notável aprofundamento das relações econômicas e políticas entre a China e o Brasil. Os dois países estabeleceram uma ampla relação comercial, com o comércio bilateral total passando de pouco mais de US $ 3 bilhões em 2001 Para mais de $ 44 bilhões em 2010 Depois, para US $ 100 bilhões em 2019. Enquanto isso, Brasil e China intensificaram a cooperação política, inclusive por meio do desenvolvimento de arranjos multilaterais, como o BRICS – formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – e os correspondentes bancos multilaterais de desenvolvimento, Como o Novo Banco de Desenvolvimento, do qual os países do BRICS são membros.

Mais sobre:

China

Brasil

Energia e meio ambiente

Belt and Road Initiative

A relação política tem sido duradoura nos últimos tempos Testado, À medida que as tensões bilaterais aumentam durante a presidência de Jair Bolsonaro, um antigo crítico chinês. Mas mesmo sob o governo de Bolsonaro, a interação econômica entre Brasil e China continuou acelerada, impulsionada pelas complementaridades econômicas prevalecentes e pelos interesses de estados brasileiros individuais, muitos dos quais vêem grande valor no desenvolvimento de suas relações com a China, independentemente de considerações geopolíticas mais amplas e da retórica dura de Bolsonaro em relação a Pequim. . .

READ  Amazon buys Wondery podcast network

Neste momento de profunda incerteza global e uma crise social e econômica sem precedentes no Brasil, é difícil prever os rumos futuros das relações entre a China e o Brasil. No entanto, seria melhor servir tanto o Brasil quanto a China reimaginando sua relação bilateral, levando em consideração outros interesses mais sustentáveis, embora ainda complementares. Tal como Teixeira e Rossi (2020) e Jaguaribe e Rosetto (2020) sugeriu que é possível reformular a relação entre a China e o Brasil de forma a promover melhor os objetivos de desenvolvimento econômico dos dois países, ao mesmo tempo em que mantém os compromissos “verdes” da China com a Belt and Road Initiative. Brasil e China terão a ganhar com a adoção de um compromisso compartilhado com a sustentabilidade social e ambiental.

Para uma análise mais abrangente de como China e Brasil podem construir um novo relacionamento baseado em parte na promoção da sustentabilidade ambiental e tecnologias verdes, leia o artigo completo Aqui.

Mais sobre:

China

Brasil

Energia e meio ambiente

Belt and Road Initiative

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1SERGIPE.COM.BR PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
N1 Sergipe