Ravenous Brazil / IJF.org

Agora sabemos que, nas categorias de pesos pesados ​​e com poucas exceções, Brasil e Cuba lideram. Assim, os altos, fortes e pesados ​​chegaram ao Pan-Americano e à Oceania para fazer barulho e, aliás, colocar algumas medalhas no bolso. O Brasil era voraz quando se tratava de morder ouro.

Para começar, um gibão, algo como uma declaração de intenções do tipo: estamos aqui, senhoras e senhores, e não nos movemos.

Com -81kg, Guilherme Schmidt e Vinicius Panini encenaram um duelo fratricida. Guilherme queria que o tatame fosse como a cozinha de sua casa, seu território, onde ele governa. Vinicius queria adicionar mais um à sua coleção de cartões. Schmidt ganhou, primeiro ouro e primeira prata do dia para o Brasil e ainda era cedo.

Vale destacar as duas medalhas de bronze obtidas pelo Canadá, pelas mãos de Etienne Briand e François Gauthier.

Elvismar Rodríguez foi o raio de luz da resistência. Não havia como tirar os brasileiros do pódio até que, com -70kg, o venezuelano decidiu algo assim: tudo bem, não vai acabar assim!

Rodríguez conquistou o ouro, derrotando a brasileira Luana Carvalho, deixando o bronze para a australiana Aoife Coughlan e a incombustível brasileira Maria Portela.

Assim, o Brasil já somou um trio com ouro, prata e bronze. Por sua vez, Cuba aqueceu seus motores.

Chegou a categoria -90kg, peso em que Cuba conta com Iván Silva Morales, recente vencedor do Grand Slam de Antália, vice-campeão mundial, ou seja, não é um iniciante que apenas descobre o sabor do alto nível. Silva Morales foi o encarregado de parar os pés do Brasil. Na final venceu Marcelo Gomes, enquanto o dominicano Robert Florentino e o americano John Jayne reservaram os bronzes.

READ  Previsão de março difícil para o milho Safrinha no Brasil

A vingança brasileira não tardou. Mayra Aguiar está na elite do judô há uma eternidade. Em Lima ela não queria perder a oportunidade de ganhar mais uma medalha de ouro, somando-se às outras quarenta e quatro medalhas internacionais que enchem sua sala, incluindo dois ouros mundiais e três bronzes olímpicos.

Aguiar venceu a venezuelana Karen León. A Venezuela resistiu, assim como a Nova Zelândia e a República Dominicana, graças a Moira De Villiers e Eiraima Silvestre, bronzes nesta categoria -78kg.

Ficaram os super pesados, aqueles que ocupam mais espaço. Como poderia ser de outra forma, com base no que vimos durante o dia, a final opôs um brasileiro contra um cubano.

Primeiro, as medalhas de bronze, para que possamos terminar com o ouro. O chileno Francisco Solís e o americano Christian Konoval fizeram uma grande partida, mas para chegar à final deveriam ter elevado consideravelmente o nível de seu judô, até porque Rafael Silva e Andy Granda estavam na frente deles. Silva é como seu compatriota Aguiar; ele tem experiência e sabe ganhar medalhas. O Granda cubano não tem, nem remotamente, o recorde de Silva, mas em 2022 parece ter atingido a maturidade plena, como demonstrou com o bronze em Antalya. Na verdade, ele chegou a Lima em melhor forma que Silva e levou o ouro, o Brasil completando um dia de tipo japonês. Venezuela, Estados Unidos, Austrália, Canadá, Nova Zelândia e República Dominicana, foram os escudeiros e os demais verificaram o caminho que ainda precisam percorrer para estar entre os primeiros.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1SERGIPE.COM.BR PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
N1 Sergipe