Principais considerações: Povos Indígenas na resposta e recuperação do COVID-19 – Brasil

Os povos indígenas experimentaram maior vulnerabilidade durante a pandemia de COVID-19 e enfrentam mortalidade por COVID-19 desproporcionalmente alta. Para abordar melhor essas vulnerabilidades, é fundamental adaptar os programas COVID-19 às necessidades específicas dos povos indígenas, conforme articulado pelas vozes indígenas. Também é vital vincular as respostas já em curso e lideradas pelos povos indígenas para mitigar esta crise. Este resumo do SSHAP discute as principais considerações para a resposta e recuperação do COVID-19, com um foco particular na região amazônica da América do Sul. As considerações neste resumo são extraídas de uma revisão de evidências e percepções fornecidas por líderes indígenas e pesquisadores de vários continentes diferentes. As considerações estão enraizadas em princípios-chave para o envolvimento da comunidade indígena, conforme articulado pelos povos e organizações indígenas. Este resumo pode ser do interesse de formuladores de políticas de saúde e desenvolvimento e profissionais que trabalham em comunidades e territórios indígenas e pode ser lido em conjunto com o relatório de histórico do SSHAP sobre ‘Povos Indígenas e COVID-19.’ Este brief foi desenvolvido para a Plataforma de Ciências Sociais em Ação Humanitária (SSHAP) pelo IDS (Susana Araujo, Mariah Cannon, Megan Schmidt-Sane, Alex Shankland, Mieke Snijder e Yi-Chin Wu). O briefing é de responsabilidade do SSHAP.

FUNDO

O mundo tem cerca de 476 milhões de indígenas.1 Muitos vivem em áreas críticas para a biodiversidade global e a saúde planetária, embora um número crescente viva em áreas urbanas.
Embora os povos indígenas representem apenas 6% da população global total, eles incluem cerca de 15% das pessoas extremamente pobres do mundo.

As informações sobre os impactos específicos da COVID-19 na saúde sobre as populações indígenas permanecem escassas devido às limitações na cobertura de testes e à falta de dados desagregados sobre infecções e mortes, mas há indicações iniciais de taxas de morbidade e mortalidade que são significativamente mais altas do que para a maioria populações.

READ  Mundo do Cruzeiro | América do Sul

Dados preliminares do Brasil sugerem uma taxa de mortalidade de 9,1% entre os indígenas que contraem COVID-19, em comparação com 5,2% para a população como um todo, 2 com alguma indicação de que as taxas de mortalidade infantil por COVID-19 são significativamente maiores do que as de não – crianças indígenas.3 Um estudo da Nova Zelândia estimou uma taxa de mortalidade por infecção para Māori que era 50% maior do que para não Māori4 e nos EUA em março de 2021 a taxa de mortalidade relatada de 256,0 por 100.000 indígenas era quase o dobro da taxa de 150,2 mortes por 100.000 relatadas para americanos brancos.

Na verdade, o impacto desastroso da segunda onda da pandemia (exacerbado pelo surgimento da linhagem do coronavírus P.1) na cidade amazônica de Manaus pode ter sido intensificado pelo aumento da vulnerabilidade entre seu grande número de habitantes indígenas, mas seus efeitos foram sentido em todos os segmentos da população – demonstrando que o otimismo em torno da aquisição de ‘imunidade de rebanho’ como resultado dos níveis extremamente altos de infecção por COVID-19 da cidade durante a primeira onda era infundado.

Apesar desses desafios, as respostas da comunidade auto-organizada à pandemia incluíram uma ampla gama de medidas para fechar ou pelo menos limitar o acesso aos territórios indígenas e aldeias para prevenir a disseminação da infecção por COVID-19 em áreas urbanas. Além de bloqueios, postos de controle e aplicação de quarentena para visitantes de fora e migrantes que retornam, os povos indígenas implementaram estratégias de proteção social coletiva para garantir que aqueles que estão em quarentena ou isolados sejam alimentados e cuidados, incluindo a construção de bancos de alimentos comunitários. As comunidades indígenas e a sociedade civil também estabeleceram plataformas de informação, traduzindo e disseminando informações relacionadas ao COVID-19 para as comunidades. Essas respostas lideradas pela comunidade podem ser melhor apoiadas pelos governos nacionais, embora qualquer programa de resposta e recuperação deva considerar os princípios-chave articulados abaixo.

READ  Última parcela do auxílio R $ 300 liberada em dezembro. Veja quem recebe

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe