Por que um acordo de livre comércio EUA-Brasil está se tornando improvável

Com o governo Biden focado em questões internas, um acordo de livre comércio com o Brasil está se tornando cada vez mais improvável.

“O presidente Joe Biden deixou claro que não vamos fazer novos acordos comerciais agora, e a prioridade são os projetos de investimento doméstico que são [debated by] congresso “, disse Daniel Watson (na foto), assistente comercial do escritório do hemisfério ocidental dos Estados Unidos durante um webinar com representantes do governo brasileiro e grupos de reflexão.

A situação cria uma abertura para o engajamento chinês, no entanto.

“Temos que considerar que para os Estados Unidos negociar o livre comércio com o Brasil não é vantajoso agora, pois atualmente tem superávit comercial com o Brasil. Para os próximos anos o que podemos esperar é mais do mesmo, com a China aumentando seu comércio influência em toda a região “, disse Tulio Cariello, diretor de pesquisa do Conselho Empresarial China-Brasil (CEBC), ao BNamericas.

Mas “a dependência do comércio brasileiro com a China está aumentando. Se isso continuar no médio prazo, podemos chegar a um ponto de exaustão. O Brasil deve buscar uma grande diversificação comercial ”, disse ao BNamericas José Augusto de Castro, chefe da associação de comércio exterior AEB.

De Castro também disse que as principais tensões políticas antes das eleições presidenciais de 2022 impedirão o avanço da agenda comercial.

“É muito difícil para um país fechar um acordo comercial com o Brasil, porque não está claro quem sairá vitorioso na eleição de outubro de 2022, então nenhum país tende a assumir posições de longo prazo com o Brasil a partir de agora”, afirmou. .

Enquanto isso, Watson, que supervisiona a política comercial dos Estados Unidos na América Latina, Caribe e Canadá, destacou que as políticas ambientais do Brasil terão grande impacto no potencial de negociações.

READ  Casal suspeito de envolvimento em assalto a banco em Criciúma é preso em Campinas | Campinas e Região

“Continuamos a ouvir preocupações muito fortes de alguns congressistas sobre a Amazônia, em relação ao desmatamento, direitos indígenas e direitos humanos. São coisas que inevitavelmente afetarão o ambiente de nossa relação com o Brasil”, disse.

Esperava-se que a relação entre o Brasil e os EUA esfriasse após a vitória de Biden, já que o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, é um partidário de Donald Trump.

Estado Instituto de Pesquisa O Ipea constatou que um acordo comercial EUA-Brasil poderia adicionar 0,41% ao PIB anual do Brasil. O Ipea projetou que um acordo poderia impulsionar as exportações em 90%, representando um valor agregado de US $ 50,2 bilhões por ano até 2035.

Pedro Miguel Costa e Silva, secretário de negociações bilaterais e regionais do Itamaraty, disse durante o webinar que o governo está interessado em um acordo comercial com os EUA.

“Estamos prontos para nos engajarmos em diversos temas, como mudanças climáticas, proteção da Amazônia e direitos trabalhistas. Indicamos aos nossos colegas norte-americanos que temos flexibilidade e mente aberta para seguir em frente”, afirmou.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe