Os venezuelanos vão às urnas nas eleições regionais e locais, com o retorno da oposição

CARACAS, 21 de novembro (Reuters) – Os venezuelanos foram às urnas no domingo nas eleições locais e regionais, que representam um grande desafio para as autoridades eleitorais e políticos da oposição, já que estes voltam a disputar votos contra o governo do presidente Nicolas Maduro pelo primeira vez em quatro anos.

Durante as eleições, mais de 3.000 governadores estaduais, prefeitos e vereadores serão escolhidos em todo o país sul-americano, que sofre uma longa recessão e hiperinflação.

A votação vai testar a imparcialidade da comissão eleitoral da Venezuela, que em maio incluiu dois oponentes entre seus cinco principais diretores, tornando-a a mais equilibrada em 17 anos, disseram seus membros.

Registre-se agora para acesso ilimitado GRATUITO a reuters.com

Às 9h, 95% dos centros de votação estavam funcionando, disse o presidente da comissão eleitoral, Pedro Calzadilla, à televisão estatal.

Outros centros registraram atrasos devido a funcionários eleitores que chegaram atrasados, enquanto alguns eleitores reclamaram que seu centro havia sido alterado sem seu conhecimento.

Os observadores eleitorais da União Europeia estarão presentes em cerca de 1.000 dos 14.400 centros de votação, a primeira missão europeia deste tipo desde 2006. ler mais

Os políticos da oposição boicotaram as eleições presidenciais e parlamentares em 2018 e 2020, respectivamente, acusando o governo de Maduro de fraude. Se perderem os 4 governos estaduais que conquistaram em 2017, não terão base de poder para fazer campanha em 2024 para as eleições presidenciais.

Maduro e o líder da oposição Juan Guaido, que é apoiado pelos Estados Unidos, entre outros países, pediram aos apoiadores que votassem na noite de sexta-feira, embora Guaido tenha lamentado as condições de votação.

READ  30 Melhor O Grande Debate para você

Em Maracaibo, capital do estado de Zulia, que é uma das regiões mais afetadas pela falta de eletricidade, água e combustível, pequenos grupos de eleitores foram a pé ou de bicicleta até as seções eleitorais por falta de transporte público e gasolina.

Cerca de 5 milhões de venezuelanos deixaram o país devido à longa crise econômica e centenas continuam a juntar-se às caravanas que passam pela América Central e pelo México com destino aos Estados Unidos. consulte Mais informação

“Não temos luz, água, nem transporte, mas vamos votar, até a pé, porque estamos fartos”, disse o aposentado Ernesto Urdaneta, de 68 anos.

Registre-se agora para acesso ilimitado GRATUITO a reuters.com

Reportagem de Vivian Sequera e Mayela Armas em Caracas; Reportagem adicional de Tibisay Romero em Valencia e Anggy Polanco em San Cristobal Escrito por Oliver Griffin; Edição de Diane Craft e Daniel Wallis

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe