Os Emirados Árabes Unidos desmontam a base da Eritreia com sua retirada após a guerra do Iêmen

Dubai, Emirados Árabes Unidos (AFP) – Os Emirados Árabes Unidos desmantelaram partes de uma base militar que administra na Eritreia, país do leste africano, depois de se retirar da guerra violenta no vizinho Iêmen, segundo imagens de satélite analisadas pela Associated Press.

Os Emirados Árabes Unidos construíram um porto e expandiram uma pista de pouso em Assab a partir de setembro de 2015, usando a instalação como base para transportar armas pesadas e forças sudanesas para o Iêmen, enquanto lutava ao lado da coalizão saudita contra os rebeldes Houthi apoiados pelo Irã.

Mas especialistas dizem que o país que o ex-secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, uma vez saudou como “Pequena Esparta”, encontrou os limites de sua expansão militar no impasse do conflito no Iêmen. Depois de retirar suas forças do conflito, imagens de satélite mostram que ele começou a enviar equipamentos e destruir até edifícios recém-construídos.

“Os emiratis estão reduzindo suas ambições estratégicas e se retirando dos lugares onde estavam presentes. Os emiratis agora estão prontos para perdoar”, disse Ryan Bohl, analista da Stratfor, empresa de inteligência privada com sede no Texas.

Autoridades dos Emirados não responderam às perguntas da Associated Press. Da mesma forma, a Eritreia, que concedeu aos Emiratis um arrendamento de 30 anos da Al Qaeda, não respondeu às perguntas enviadas à sua embaixada em Washington.

Os Emirados Árabes Unidos, uma federação de sete sheikdoms que abrigam Abu Dhabi e Dubai, injetou milhões de dólares para melhorar as instalações em Assab, a apenas 70 quilômetros (40 milhas) do Iêmen. Dragou um porto e melhorou a pista de pouso em cerca de 3.500 metros (11.500 pés) para permitir aeronaves de apoio pesado.

READ  Indonesia earthquake kills dozens and injures hundreds

Os emiratis também construíram quartéis, pára-quedas para aeronaves e cercas ao longo da instalação de 9 quilômetros quadrados (3,5 milhas quadradas) construída pela potência colonial Itália na década de 1930.

Com o tempo, os Emirados Árabes Unidos posicionaram tanques de combate Leclerc, obuseiros autopropelidos G6 e veículos de combate anfíbios BMP-3 no aeroporto, de acordo com especialistas da ONU. Esses tipos de armas pesadas foram vistos nos campos de batalha do Iêmen. Helicópteros de ataque, drones e outras aeronaves foram vistos em suas pistas.

Os quartéis da base incluem forças dos Emirados e do Iêmen, bem como forças sudanesas fotografadas desembarcando na cidade portuária de Aden, no Iêmen. Os registros mostram que o navio que os transportava, Swift-1, viajava de um lado para o outro para Assab. O navio foi posteriormente atacado pelas forças Houthi em 2016 e o ​​governo dos Emirados Árabes Unidos confirmou que transportava ajuda humanitária, uma alegação que especialistas da ONU mais tarde descreveram como “não convencidos de sua veracidade”.

A base também ajudou os soldados feridos ao fornecer “um dos melhores hospitais cirúrgicos de campo em qualquer lugar do Oriente Médio”, disse Michael Knights, um membro do Instituto de Política do Oriente Próximo de Washington que estudou a base Assab.

Enquanto a guerra do Iêmen continua, Os emirados também usaram a base para manter presos A coalizão liderada pela Arábia Saudita enfrentou uma pressão internacional crescente devido ao abuso de detidos e ataques aéreos que mataram civis. No verão de 2019, os Emirados Árabes Unidos anunciaram que haviam começado a retirar suas forças A guerra que ainda está acontecendo hoje.

“Só até agora eles podem superar seu peso, que é o que fazem militar e economicamente”, disse Alex Almeida, analista de segurança da Horizon Client Access que estudou a Assab. Assim que descobriram que o Iêmen não valia a pena para eles, decidiram: ‘Vamos acabar com isso’ e abruptamente. ‘

READ  Princesa Latifa insta a polícia do Reino Unido a investigar o sequestro de sua irmã há 21 anos

Imagens de satélite do Planet Labs, analisadas pela Associated Press, mostram que a decisão se estende também à Assab.

Imagens de satélite mostram que, em junho de 2019, quando os Emirados emitiram seu anúncio de retirada, os trabalhadores aparentemente demoliram edifícios que se acreditava serem quartéis próximos ao porto. Os trabalhadores montaram linhas elaboradas de materiais ao norte do porto, aparentemente esperando para serem embarcados.

No início de janeiro deste ano, outra imagem mostrou o que pareciam ser veículos e outros equipamentos sendo carregados em um navio de carga à espera. Em 5 de fevereiro, o navio e este equipamento foram embora.

A desmontagem também incluiu as cortinas recém-construídas ao longo da nova pista, perto da pista das instalações. Em Tiro, em 5 de fevereiro, outro conjunto de cortinas que os analistas haviam instalado anteriormente nos drones lançados da base foi desmontado. Os Emirados Árabes Unidos usaram drones armados de fabricação chinesa na guerra do Iêmen para matar líderes dos rebeldes Houthi.

Em seguida, vem a destruição dos hangares de drones Rebeldes na região de Tigray, na Etiópia, afirmaram em novembro que drones dos Emirados de Assab haviam sido usados ​​contra suas posições.. Os Emirados Árabes Unidos não comentaram as alegações, para as quais os rebeldes não forneceram quaisquer provas.

O governo da Líbia, apoiado pelas Nações Unidas, também afirmou que os Emirados Árabes Unidos transportaram armas via Assab em seu caminho para lá. Especialistas das Nações Unidas acusaram os Emirados Árabes Unidos, entre outros países, de transferir armas para a Líbia em meio à guerra civil de anos.

Enquanto isso, um cargueiro Antonov An-124 registrado na Ucrânia voou vários voos no final de janeiro de Assab para a cidade de Al Ain nos Emirados Árabes Unidos, de acordo com dados de voo do FlightRadar24.com.

READ  Um canadense rouba um BMW M4 de uma concessionária com um vendedor pendurado no capô de sua querida vida

Esse avião, que antes era associado aos militares dos Emirados, agora voa para uma empresa ucraniana-emirada chamada Maximus Air. A empresa não respondeu a um pedido de comentário deixado em seu escritório em Abu Dhabi.

Apesar do trabalho de desmontagem, helicópteros de ataque dos Emirados ainda foram vistos na base. Também continua sendo um ponto estrategicamente importante, já que fica próximo ao estreito de Bab al-Mandab que conecta o Mar Vermelho com o Golfo de Aden.

Mas os Emirados Árabes Unidos podem enfrentar preocupações mais urgentes. Desde 2019, as tensões entre os Estados Unidos e o Irã viram uma série de incidentes crescentes, incluindo ataques a navios dos Emirados. Essas ameaças mais próximas de casa podem ter precedência sobre a expansão da pegada militar no exterior.

Knights disse: “Acho que o que Little Sparta faz é manter a pólvora seca para o que for preciso fazer a seguir.

___

Siga Jon Gambrell no Twitter em www.twitter.com/jongambrellAP.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1 Sergipe