Nikki Haley critica a pressão de Biden para obter um assento no Conselho de Direitos Humanos do ‘Levante’ com ‘tiranos e’ ditadores ‘

Ex-embaixador da ONU Nikki Haley Na quarta-feira, ele criticou a decisão do governo Biden de reconquistar uma cadeira no polêmico Conselho de Direitos Humanos – Observando que a mesa do comitê, com sede em Genebra, inclui “ditadores e tiranos”.

“O supervisor de Biden quer um lugar à mesa com tiranos e ditadores”, escreveu Haley no Twitter.

Mas ele expressa sua intenção de retornar ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas

“Os Estados Unidos não deveriam dar crédito ao falso Conselho de Direitos Humanos da ONU”, disse ela. “Um grupo que cobre os piores violadores dos direitos humanos no mundo e passa a maior parte do tempo atacando Israel.”

Haley estava respondendo ao Secretário de Estado Anúncio de Anthony Blinken na quarta-feira Que os Estados Unidos vão pressionar por um assento no Conselho – que os Estados Unidos deixaram em 2018 devido à sua adesão e preconceito anti-EUA. Biden havia prometido se juntar ao conselho durante a campanha presidencial de 2020.

Eleição de Cuba, China e Rússia para o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas; Marcas americanas são uma “farsa”

Haley era embaixadora da ONU quando deixou os Estados Unidos e descreveu o conselho em termos inequívocos na época como “um protetor dos violadores dos direitos humanos e um foco de preconceito político”.

Suas observações foram reforçadas nos anos subsequentes pela contínua eleição de estados com histórico ruim de direitos humanos para o Conselho. Cuba, China e Rússia O conselho foi eleito no ano passado. A Arábia Saudita estava na votação, mas não conseguiu reunir apoio suficiente para ganhar uma cadeira.

A administração Trump descreveu sua eleição como uma “zombaria”.

READ  Biden não está recebendo carona dos democratas na política externa

Pompeo diz que o Conselho de Direitos Humanos da ONU está atingindo um “novo nível” com uma resolução anti-EUA sobre raça e polícia

Há um ano, a Assembleia Geral das Nações Unidas elegeu a Líbia, o Sudão e a Venezuela para o conselho. A Venezuela, em particular, levantou as sobrancelhas em sua eleição, dizendo que testemunhou violações massivas dos direitos humanos e pobreza em massa sob o regime socialista de Maduro.

Em julho, 53 nações das Nações Unidas, lideradas por Cuba, saíram para apoiar a China Lei de Segurança Nacional A lei que serviu de base para a repressão ao povo de Hong Kong.

Na quarta-feira, Blinken disse que os Estados Unidos buscariam um mandato de três anos começando no próximo ano, embora também reconhecesse que o órgão precisa ser reformado e parar de se concentrar muito em Israel.

Também levantou preocupações sobre as violações chinesas de minorias na região de Xinjiang e as repressões russas contra políticos e manifestantes da oposição.

Clique aqui para acessar o aplicativo FOX NEWS

“Os Estados Unidos colocam a democracia e os direitos humanos no centro de nossa política externa porque são essenciais para a paz e a estabilidade”, disse Blinken.

Blinken também disse que “ter o pior histórico de direitos humanos não deveria ser membro deste conselho”.

A Associated Press contribuiu para este relatório.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1 Sergipe