Nascido no Brasil, Jorginho, o coração da Itália em megaevento-Sports News, Firstpost

Discreta, mas “insubstituível” presença no meio-campo, Jorginho foi a pedra angular do renascimento da Itália de fracassos na Copa do Mundo a candidatos à Euro 2020.

Jorginho se classifica para a Itália graças ao avô, natural da região norte de Vicenza. AP

Presença discreta, mas “insubstituível” no meio-campo, Jorginho foi a pedra angular do renascimento da Itália de fracassos na Copa do Mundo para candidatos à Euro 2020, com uma semifinal contra a Espanha aguardando em Londres, no Chelsea, na terça-feira.

Integrante do contingente brasileiro da Azzurra, junto com o companheiro de seleção Emerson Palmieri e o zagueiro do Atalanta Rafael Toloi, Jorginho, nascido na cidade de Imbituba, trouxe o talento técnico de seu país natal para sua Itália adotiva.

“Com o Jorginho, tudo parece simples. Ele é essencial para esta equipe, intocável”, disse o parceiro de meio-campo Marco Verratti.

“Jorginho e Verratti são dois fenômenos e fazem a equipe mudar”, continuou o meio-campista do Inter de Milão Nicolo Barella, que marcou o primeiro gol na vitória por 2 a 1 sobre a favorita Bélgica, que colocou a Itália nas quatro finais.

“Este meio-campo, junto com o do Inter de Milão (campeão da Série A), está entre os mais fortes em que já joguei. Criamos rivalidades entre nós que nos levam a fazer melhor e vencer”, acrescentou Barella.

Contra o tricampeão europeu, será mais uma batalha, já que a Itália busca aumentar sua invencibilidade para 33 jogos consecutivos e se aproximar de um título conquistado pela última vez em 1968.

“Com a Espanha será um jogo difícil, somos duas equipes semelhantes e ambas querem jogar a bola”, continuou Barella.

O lateral-esquerdo Leonardo Spinazzola, outro dos motores por trás da corrida da Itália na Euro 2020, vai sair depois de romper o tendão de Aquiles contra os Red Devils.

READ  A nova estátua de Jesus no Brasil será mais alta do que o Cristo Redentor do Rio

O santista Emerson, outro vencedor da Champions League com o Blues, provavelmente assumirá esse papel esta semana.

Jorginho se classifica para a Azzurra graças ao avô, natural da região norte de Vicenza.

“Sinto que tenho a técnica brasileira com a bola, mas a mentalidade italiana de sempre treinar forte e vencer”, disse Jorginho.

Tal como em Stamford Bridge, onde a sua parceria com o francês N’Golo Kante inspirou o clube inglês à vitória na Champions League sobre o Manchester City, o jogador de 29 anos é o precioso trabalhador paralelo dos azzurri.

Apelidado de “Professor”, ou “Rádio Jorginho” por causa de suas instruções vocais em campo, ele é um dos únicos dois jogadores de linha a ter disputado as cinco partidas pelo Euro, com o zagueiro Leonardo Bonucci.

“Ele tem uma personalidade forte, em uma equipe ele é realmente o comandante”, disse à AFP o ex-diretor esportivo do Hellas Verona, Mauro Gibellini, que o avistou ainda criança no Brasil.

Gibellini havia criado uma escola de futebol no país sul-americano.

Não hesitou ao ver o menino de 12 anos, que teve como primeiro treinador sua mãe, ex-futebolista, durante um torneio na cidade de Jorginho.

Depois de alguns anos nesta escola no Brasil, Jorginho chegou na Europa e Hellas Verona onde jogou na Série B e depois na Série A.

Ele então se juntou ao Napoli por quatro anos a partir de 2014, onde floresceu sob o comando de Maurizio Sarri, que seguiu para o Chelsea.

“Jorginho nunca mudou, quando criança jogava da mesma forma que joga hoje”, continuou Gibellini.

“Ele tem uma grande qualidade, antes que a bola chegue, já sabe para onde conduzir o jogo. Não precisa de tocar na bola mais do que uma ou duas vezes.

READ  A ascensão explosiva do Free Fire nos esportes eletrônicos da América Latina

“Ele joga de cabeça erguida. Ele dita o ritmo inclusive na defesa, quando tem que pressionar e levantar o time.

“Mesmo que ele não seja poderoso e não muito rápido, ele compensa com sua inteligência.”

Desde 2018, Jorginho está no Chelsea, vencendo a Liga Europa em 2019 ao lado de Sarri, antes da vitória na Liga dos Campeões na última campanha com Thomas Tuchel.

“Gostaria de sentir as mesmas emoções com a seleção nacional”, disse o jogador internacional por 33 vezes.

“Este grupo se parece com o Chelsea, é maravilhoso, eles estão com tanta fome e querem provar alguma coisa, desde os mais novos aos mais experientes.

“Esta é também a minha primeira grande competição com a Itália e quero mesmo jogar bem”.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe