Não espere que Bolsonaro cumpra as promessas da COP26 do Brasil

Como principal administrador da maior floresta tropical do mundo, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro tem estado no centro de muitas das discussões em torno da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática em Glasgow, Escócia. Mas as manchetes são o mais próximo que ele chegou do encontro internacional. Como uma série de outros líderes nacionalistas, Bolsonaro decidiu pular a cúpula, optando por embarcar em um peregrinação para a cidade no norte da Itália de onde seus avós eram antes de voltar para casa.

Mas o Brasil não esteve totalmente ausente da COP26. Na verdade, a delegação do país participou de alguns dos anúncios da conferência, incluindo promessas de reduzir as emissões de metano e, talvez mais notavelmente para o Brasil, para acabar com o desmatamento ilegal até 2030. Por ser o lar da Amazônia, o país há muito enfrenta o escrutínio quanto ao manejo da floresta tropical, cujo desmatamento aumentou sob a liderança de Bolsonaro. Ao assinar compromissos para proteger a Amazônia, mesmo à revelia, Bolsonaro parecia estar mudando de sua marca registrada de desconsideração pela mudança climática para, no mínimo, um reconhecimento geral do papel do Brasil em combatê-la.

Ainda assim, observadores atentos permanecem céticos. O tipo de engajamento multilateral necessário para enfrentar a crise climática é um anátema para os líderes nacionalistas que governam alguns dos maiores poluidores do mundo, Bolsonaro entre eles. Embora a comunidade internacional possa ser animada por promessas de mudança de rumo, o verdadeiro teste será o que acontecerá após o término da COP26.

No caso de Bolsonaro, há poucos motivos para otimismo. O histórico do presidente brasileiro sobre o clima tem variado da apatia geral à hostilidade absoluta. Como candidato, ele prometeu seguir o exemplo de Donald Trump, retirando-se do Acordo de Paris, sob o argumento de que o acordo ameaçava a soberania do Brasil sobre a Amazônia, posição que ele posteriormente reverteu. Na época, o Brasil estava experimentando alguns de seus taxas de desmatamento mais baixas em décadas – uma conquista de curta duração creditada em grande parte ao melhor cumprimento das leis ambientais e à tecnologia de vigilância aprimorada. Sob a supervisão de Bolsonaro, no entanto, medidas para proteger a Amazônia foram reduzido e o desmatamento aumentou para um pico de 12 anos. Como resultado, enquanto grande parte do mundo experimentou uma queda nas emissões de gases de efeito estufa durante a pandemia, o desmatamento viu o Brasil crescer em 9,5 por cento.

READ  Paulo Guedes afirma que é possível ter socorro emergencial em 2021

Bolsonaro não é o único líder nacionalista que demonstrou pouca consideração pelas mudanças climáticas. Na verdade, muitos dos outros que não apareceram na COP26, incluindo Da China Xi Jinping, Da Rússia Vladimir Putin, e Da Turquia Recep Tayyip Erdoğan, tem, segundo algumas medidas, recordes ainda piores. “A diferença é que temos a Amazônia”, me disse Ana Toni, diretora do Instituto Brasileiro de Clima e Sociedade e pesquisadora sênior do Centro Brasileiro de Relações Internacionais, de Glasgow. Embora a Amazônia seja muitas vezes chamada erroneamente de “pulmão da Terra”, ela atua como um gigantesco sumidouro natural para as emissões de dióxido de carbono em todo o mundo e abriga grande parte da biodiversidade mundial. Portanto, os líderes mundiais têm interesse em preservá-lo, algo que sem dúvida irrita o Bolsonaro. Ele já havia criticado o interesse internacional na floresta tropical como “psicose ambiental”, acrescentando que, no que lhe diz respeito, “a Amazônia é do Brasil – não sua. ”

Sua aparente reviravolta no clima pode ser indicativa de uma tendência mais ampla: à medida que mais e mais nacionalistas de extrema direita reconhecem a futilidade de negar a mudança climática de uma vez, muitos optaram por uma abordagem diferente, posicionando-se como céticos e não em relação ao clima induzido pelo homem mudança, mas sim das soluções propostas pela elite para enfrentá-la. Em uma regurgitação de pontos de discussão de extrema direita sobre a imigração e a pandemia, líderes nacionalistas como o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán agora discuta que as implicações econômicas das novas políticas climáticas afetarão mais duramente a classe média e os trabalhadores comuns. Da mesma forma, a Alternativa de extrema direita para a Alemanha, que ao contrário do partido Fidesz de Orbán não reconhece as mudanças climáticas antropogênicas, condenou o “auto-proclamada elite do clima”Na COP26 por exigir sacrifícios de seus cidadãos“ que eles próprios não estão preparados para fazer ”.

READ  30 Melhor One Piece 87 para você

Fatores domésticos também estão em jogo no Brasil. De acordo com uma pesquisa recente realizada pela PoderData e pelo Instituto Brasileiro de Clima e Sociedade, uma maioria significativa dos eleitores brasileiros acredita que proteger a Amazônia deve estar entre as principais prioridades nas eleições presidenciais do próximo ano, com sete em cada 10 concordando que o desenvolvimento do país depende sobre a proteção da floresta tropical. Quando solicitados a avaliar a proteção do Bolsonaro à Amazônia, 43% disseram que era “ruim ou muito ruim”, em comparação com apenas 27% que consideraram seu desempenho “ótimo ou bom”. Isso é um mau presságio para Bolsonaro, que já caído para trás o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas pesquisas de opinião que antecederam as eleições.

Embora o sentimento brasileiro em relação à Amazônia seja impulsionado em parte por preocupações com as mudanças climáticas, Toni disse que também se trata fundamentalmente da identidade nacional brasileira. “Quando a floresta amazônica está queimando, um pouco da identidade brasileira como nação está queimando”, disse ela. “Qualquer político que realmente queira ter futuro no Brasil precisará proteger a Amazônia, caso contrário não será eleito. Essa é a realidade. ”

Embora a delegação brasileira tenha feito fortes compromissos na COP26, incluindo promessas de reduzir as emissões de carbono do país pela metade até 2030 com o objetivo final de atingir o valor líquido zero até 2050, falta-lhes o tipo de credibilidade que apenas um líder de país pode oferecer.

“São boas promessas e fico feliz que o governo brasileiro as tenha assinado, mas [Bolsonaro] tem apenas um ano ”, disse Toni. “Não há planos de implementação; não há dinheiro anexado … então minha esperança de que algo aconteça no próximo ano é zero. ”

READ  Senado aprova versão final do projeto de lei da nova lei geral de licitações

Até agora, as ações de Bolsonaro falaram mais alto do que qualquer palavra da delegação brasileira. De volta ao Brasil, ele criticou um jovem representante da comunidade indígena brasileira por ir à COP26 apenas para “atacar brasil. ” Certamente ela deveria ter percebido que a maneira mais fácil de prejudicar o país seria não comparecer à cúpula.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe