Mudança climática pode ter ajudado na jornada dos dinossauros da América do Sul à Groenlândia | Smart News

No final Período triássico cerca de 252 milhões de anos atrás, o planeta era principalmente um vasto deserto árido formado no supercontinente Pangéia. Dinossauros carnívoros percorriam o planeta com facilidade, expandindo seu alcance por toda a terra. Mas os herbívoros, cuja dieta depende de uma abundância de plantas, estavam geograficamente confinados a áreas mais verdes, incluindo os maiores dinossauros – e animais terrestres – que já viveram: um grupo de dinossauros enormes de pescoço longo chamado sauropodomorfos.

Por milhões de anos, sauropodomorfos realmente não saíram de seus habitats no que hoje é a Argentina e o Brasil—Até uma queda nos níveis de dióxido de carbono (CO2) ocorreu há 215 milhões de anos, relata Chrissy Sexton para Earth.com. A mudança nos níveis de CO2 pode ter facilitado para um grupo de herbívoros chamados sauropodomorfos a migrar para o norte, de acordo com um novo estudo na revista Anais da Academia Nacional de Ciências.

“Em princípio, os dinossauros poderiam ter caminhado de quase um pólo ao outro. Não havia oceano entre eles. Não havia grandes montanhas. E ainda assim levou 15 milhões de anos. É como se os caracóis pudessem ter feito isso mais rápido”, diz Dennis Kent, co-autor do estudo e geólogo da Universidade de Columbia, em um demonstração.

Anteriormente, pensava-se que os sauropodomorfos migraram para a Groenlândia há cerca de 205 milhões a 225 milhões de anos. Medindo os padrões de magnetismo em rochas antigas da América do Sul, Arizona, Nova Jersey, Europa e Groenlândia, os autores do novo estudo descobriram que os herbívoros realmente migraram cerca de 214 milhões de anos atrás, uma época em que o clima da Terra estava mudando rapidamente, relata Anushree Dave para Notícias de ciência.

Durante o final do período Triássico, entre 215 milhões e 233 milhões de anos atrás, a Terra tinha níveis de dióxido de carbono extremamente altos em 4.000 partes por milhão, Notícias de ciência relatórios. Os altos níveis de CO2 teriam tornado ambientes secos extremamente áridos e ambientes úmidos monções, limitando a quantidade de plantas que os herbívoros poderiam festejar durante a migração, relata Harry Cockburn para o Independente.

Entre 212 milhões e 215 milhões de anos atrás, quando os sauropodomorfos chegaram à Groenlândia, os níveis de dióxido de carbono caíram pela metade em 2.000 partes por milhão, deixando os pesquisadores a suspeitar que este evento pode ter tornado as condições na Terra mais hospitaleiras. As regiões tropicais provavelmente se tornaram mais amenas e as regiões áridas tornaram-se menos secas, permitindo que os sauropodomorfos migrassem para o norte, relata o Independente.

Os pesquisadores descobriram uma abundância de fósseis de saurópodes no que hoje é a Groenlândia, sugerindo que o clima e o ambiente eram adequados para os dinossauros e eles decidiram ficar por aqui.

READ  Brasil vai lançar seu primeiro satélite de observação de projeto nacional - ANI

“Assim que chegaram à Groenlândia, parecia que haviam se estabelecido. Eles permaneceram como um longo registro fóssil depois disso”, diz Kent ao Independente. Pegadas fossilizadas desses dinossauros de pescoço longo são encontradas em regiões tropicais e áridas, mas seus corpos não, sugerindo que eles estavam apenas de passagem durante sua jornada para a Groenlândia, relata o Independente.

“Este estudo nos lembra que não podemos entender a evolução sem entender o clima e o meio ambiente”, disse Steve Brusatte, paleontólogo vertebrado da Universidade de Edimburgo, que não esteve envolvido no estudo, para Notícias de ciência. “Mesmo as maiores e mais impressionantes criaturas que já existiram ainda eram controladas pelos caprichos da mudança climática.”

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1 Sergipe