Mercedes concorda com Verstappen antes do confronto brasileiro

O diretor de engenharia da Mercedes, Andrew Shovlin, acredita que Max Verstappen está correto em sua suposição de que o Silver Arrows deve estar mais perto da Red Bull no Brasil neste fim de semana.

Verstappen teve um desempenho de classe mestre no México no domingo para abrir uma vantagem de 19 pontos sobre Lewis Hamilton na batalha pelo título de F1 deste ano.

O Autódromo Hermanos Rodriguez jogou com os pontos fortes do RB16B e sua unidade de potência Honda em alta altitude, com muitos observadores esperando que Interlagos também jogasse nas mãos da Red Bull.

Verstappen, porém, foi mais circunspecto na avaliação do GP de São Paulo, afirmando que embora o México “sempre tenha sido uma pista muito boa para nós”, acrescentou que “espero que o Brasil não seja como era aqui”.

Quando disse a Shovlin que Verstappen esperava que estivesse mais perto, ele respondeu: “Sim, há razões pelas quais esperaríamos que estivesse mais perto.

“O que gostamos de fazer é nos preocupar com as coisas que podem dar errado e nos surpreender.

“Pode muito bem ser [it is closer] mas é tão imprevisível no momento. Você olha para a qualificação, e uma única volta pode ser mais variável do que o ritmo da corrida.

“Mas não precisamos voltar muito e claramente tínhamos o carro que dominou a corrida no fim de semana na Turquia, acho que em Sochi também.

“Nos restantes quatro circuitos, haverá aqueles que também se adequam a nós, por isso vamos continuar a tentar tudo o que estiver ao nosso alcance para ganhar o campeonato.”

Shovlin espera que os caprichos do clima de São Paulo entrem na equação, com sol quente favorecendo a Red Bull, enquanto climas mais nublados e potencialmente úmidos para Mercedes.

READ  Desmatamento na Amazônia brasileira em meio ao debate climático da COP26

Shovlin espera pelo menos que a grande asa traseira da Red Bull, que causou problemas para a equipe no México, seja menos diferenciador, pois, embora Interlagos esteja novamente em altitude, é apenas um terço da altitude da Cidade do México.

Avaliando o fim de semana que se aproxima no geral, ele acrescentou: “Depende um pouco do clima lá. O clima é inerentemente muito instável.

“Você pode ter uma pista de 50 graus em um dia e um apagamento no outro. Se for um circuito quente, isso provavelmente vai movê-lo na direção deles. Um pouco de cobertura de nuvens pode muito bem nos servir.

“Uma das vantagens que eles tinham [in Mexico] Se eles foram capazes de subir um degrau na força descendente da asa traseira, eles normalmente correm para a asa de força descendente máxima, onde, na verdade, para nós, essa é a asa que corremos normalmente.

“É só que o carro deles parece ter mais força aerodinâmica do que nós em asas de tamanho idêntico. Acho que isso jogou a seu favor.

“No Brasil, isso é menos problemático, mas é muito difícil de prever e muito parecido com o que fizemos [in Mexico], vamos olhar para os pontos fracos do nosso carro, descobrir como podemos minimizá-los. Precisamos colocar os pneus em uma boa janela.

“Mas fazer previsões sobre se você vai ser rápido ou lento não tem sentido, é mais sobre conhecer as tarefas nas quais você precisa se concentrar e fazer um bom trabalho.”

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe