Maior colônia de papagaios vive nos penhascos íngremes da Patagônia

Os penhascos de arenito em ruínas da montanha abrigam a maior colônia de papagaios do mundo, contendo 37.000 ninhos.

Os papagaios escavadores são assim chamados porque escavam túneis nas encostas arenosas para construir seus ninhos. Esses túneis podem ter até 9,8 pés (cerca de 3 metros) de profundidade.

Com penas verdes e anéis brancos ao redor dos olhos, papagaios escavadores se destacam nesta paisagem árida com vista para o Oceano Atlântico. Quando os pássaros voam, penas azuis e vermelhas brilhantes brilham no céu.

As falésias de El Cóndor servem como local de nidificação para uma espécie que já apareceu em toda a América do Sul, mas a população de papagaios está em declínio.

A fonte de alimento dos papagaios no Monte Argentino está desaparecendo mais rapidamente do que a floresta amazônica. Esta região vulnerável de pastagens e arbustos do deserto, que os papagaios preferem, sofreu com o desmatamento.

Os papagaios escavadores têm que voar três horas longe de seus ninhos apenas para encontrar sementes e bagas para trazer de volta para seus filhotes dentro dos ninhos do penhasco. A cada ano, os pássaros precisam viajar mais para encontrar algo para comer, e estima-se que os adultos voar até 164 milhas (264 quilômetros) por diade acordo com cientistas da Universidade Justus Liebig Giessen, na Alemanha.

Além disso, as ameaças de humanos e o crescente turismo na área estão dificultando a vida dos papagaios.

Um céu cheio de pássaros

diretor argentino Kevin Zaouali, que fez o primeiro episódio de “Patagônia: a vida no limite do mundo” série que estreia domingo na CNN, viu os pássaros pela primeira vez há 10 anos, quando visitou El Cóndor, extasiado por “um céu inteiro coberto de papagaios”. o que os animais queriam nos oferecer.”

A equipe de filmagem passou 20 dias com os papagaios, querendo encontrar momentos especiais, disse Zaouali. A equipe ouviu a conversa constante dos pássaros altamente sociais e também observou outras nuances de seu comportamento. Papagaios escavadores são monogâmicos e acasalam para a vida – e eles fazem tudo juntos.

READ  onde assistir, agendar, escalações, arbitragem

Zaouali disse que ficou impressionado com “a maneira como eles olham um para o outro e a maneira como se tocam. Eles estão sempre dando beijos um no outro.”

Em meio a esses vislumbres de afeto, houve momentos de tensão.

Papagaios escavadores são a presa do falcão peregrino, o pássaro mais rápido do planeta. Pode atingir velocidades de 240 milhas por hora (386 quilômetros por hora) ao mergulhar em sua presa. No local, os falcões se moviam tão rapidamente que era quase impossível capturar seus mergulhos na câmera.

Alguns filhotes dentro do ninho ficam curiosos enquanto esperam que seus pais retornem do local de alimentação e caiam no fundo da montanha se se inclinarem demais. Zaouali e sua equipe passaram um dia observando um filhote escalar meticulosamente centímetro por centímetro de volta ao ninho depois que ele caiu.

As falésias de arenito representam outros riscos para a colônia. As estruturas ocasionalmente desmoronam, com blocos maciços caindo da face do penhasco e matando os papagaios que moram lá dentro. Mas os papagaios voltam todos os anos depois de passarem os invernos no norte porque preferem a abertura árida das falésias ao longo da costa atlântica.

Protegendo papagaios

O papagaio escavador é atualmente considerado de “menor preocupação”, de acordo com o Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Naturezamas a espécie foi reconhecida como uma que está diminuindo em população.
Devido ao seu charme e cor, os papagaios escavadores são explorados pelos comércio de vida selvagem. Eles também foram caçados como pragas que se alimentam de colheitas. E como os papagaios escavadores são tão exigentes sobre onde nidificar, eles são facilmente perturbados se os humanos invadirem seu espaço.
Papagaios escavadores são incrivelmente leais uns aos outros e altamente sociais.

Zaouali começou a filmar e fotografar animais há 16 anos e já viu mudanças nos lugares que visitou quando criança. Ele disse que teme que “a terra da aventura” possa perder a maior colônia de psitacídeos da Terra e outros animais se medidas de proteção não forem tomadas para as espécies vulneráveis ​​que vivem na Patagônia.

READ  Bangalore: Techie volta do Brasil sem vacina contra febre amarela, enviado para quarentena | Notícias de Bangalore

“A Patagônia é um lugar muito especial, mas também muito, muito frágil”, disse Zaouali. “É único e muito selvagem, e embora pareça muito distante e intocado, se não tentarmos protegê-lo, será como qualquer outro lugar cheio de poluição.”

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1SERGIPE.COM.BR PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
N1 Sergipe