Juiz anti-suborno que enfrentou elite brasileira constrói candidatura presidencial

Sérgio Moro é retratado por seus apoiadores como Superman por seu papel em expor a corrupção endêmica no estabelecimento brasileiro. Mas o juiz que se tornou político provavelmente enfrenta uma tarefa ainda mais difícil de atrair eleitores para apoiar sua candidatura à presidência.

Atualmente em terceiro lugar nas pesquisas antes das eleições de outubro próximo, ele segue por larga margem o ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva e o de extrema direita Jair Bolsonaro, o atual líder. Mesmo assim, Moro, de 49 anos, vê uma chance de atingir o eleitorado crescente de eleitores que não querem votar em Bolsonaro ou Lula.

“O povo brasileiro não quer reeleger o atual presidente, mas sim, por outro lado [many] também não querem trazer de volta o ex-presidente Lula porque sabem que é um modelo de governo baseado na corrupção ”, disse ele em entrevista ao Financial Times de uma residência no sul de São Paulo que passou a ser sua sede de campanha.

A candidatura presidencial, baseada em políticas econômicas liberais, é o terceiro ato na carreira de Moro. Na primeira, o juiz da cidade de Curitiba ganhou fama como o rosto da longa investigação Lava Jato (Lava Jato), que prendeu dezenas de poderosas personalidades brasileiras em uma investigação anticorrupção.

A partir de 2014, os promotores descobriram um vasto esquema de contratos por propina envolvendo mais de 1.000 políticos e empresários e US $ 5 bilhões em pagamentos ilegais. Mais de 280 pessoas foram condenadas como resultado da investigação, incluindo Lula.

Moro então ingressou no governo Bolsonaro como ministro da Justiça em 2019, apenas para partir depois de 16 meses em meio a uma discussão sobre a suposta interferência do presidente na Polícia Federal.

READ  Bolsonaro responde após DiCaprio exortar jovens brasileiros a votar

Agora, após uma passagem pelos Estados Unidos como consultor, Moro pretende substituir o ex-capitão do Exército como líder do Brasil. Embora nenhum candidato tenha se declarado oficialmente ainda, as pesquisas mostram que Moro está em terceiro lugar – e seu ímpeto está crescendo.

De acordo com o pesquisador Ipec, mais de 30% dos brasileiros não querem eleger Bolsonaro nem Lula, que voltou à briga este ano depois que o Supremo Tribunal Federal anulou sua condenação por enxerto por causa de um erro processual.

Apoiante de Luiz Inácio Lula da Silva com imagem de Jair Bolsonaro durante protestos este ano contra o presidente © Ueslei Marcelino / Reuters

Moro se beneficia de um perfil elevado, mas enfrentará dificuldades para unir eleitores opostos aos da frente, já que haverá vários outros candidatos. A corrupção também caiu na lista de preocupações dos eleitores, substituída pela economia e saúde.

O ex-juiz também sofre de um alto índice de rejeição – atualmente de mais de 50 por cento – entre os eleitores. Para muitos eleitores de esquerda, o processo contra Lula foi uma caça às bruxas política, uma crítica que ganhou força em 2019, quando mensagens vazadas mostravam Moro treinando promotores no caso. Depois que a condenação foi anulada, o Supremo Tribunal Federal decidiu que o julgamento de Lula em 2017 foi parcial.

Moro nega que os fatos tenham prejudicado sua credibilidade: “O povo brasileiro sabe o que aconteceu durante a investigação Lava Jato e o que foi descoberto. Foi um grande escândalo criminal. O Brasil tinha uma tradição de impunidade para a corrupção e Lava Jato mudou isso. ”

“Os fatos são inegáveis. Os fatos são teimosos ”, disse Moro, citando John Adams, o segundo presidente dos Estados Unidos.

Se eleito, Moro disse que reiniciaria os esforços anticorrupção ao mesmo tempo em que promoveria uma agenda econômica liberal que abordasse os inúmeros problemas sociais do Brasil.

READ  Os irmãos Seljan – exploradores croatas na América do Sul – abre exposição no Paraguai

“Eu acredito no setor privado. Acredito que o desenvolvimento econômico depende principalmente das iniciativas do setor privado ”, disse, prometendo reformas estruturais como a simplificação do sistema tributário prometida por Bolsonaro.

“[But] em um país como o Brasil, você também precisa ter fortes programas de bem-estar na saúde, na educação, na segurança pública. Você precisa de políticas fortes para a educação e para diminuir a pobreza porque ela está crescendo. ”

É uma mensagem centrista que provavelmente ressoará na comunidade empresarial brasileira, que se cansou do tumulto do governo Bolsonaro, mas está hesitante sobre um retorno ao governo de esquerda sob Lula.

Moro, no entanto, enfrenta uma árdua tarefa de espalhar sua mensagem para a população em geral, especialmente em regiões mais pobres como o Nordeste. Embora visto como competente e tecnocrático, o ex-ministro não possui o carisma de Lula nem o toque populista de Bolsonaro. Ele também nunca ocupou um cargo eletivo.

Se ele ganhasse a presidência, Moro provavelmente enfrentaria dificuldades para cumprir sua agenda. Ele tem pouca experiência no trato e nos tratos necessários para aprovar leis e grande parte do Congresso o detesta por ter processado legisladores durante o Lava Jato.

“Precisamos ter um programa forte e você precisa ter uma aliança política e estamos trabalhando nisso”, disse Moro. “Há muita gente boa no Congresso. E acredito que geralmente eles respondem bem aos incentivos adequados. ”

Ele acrescentou que está aberto ao diálogo com todos, inclusive com o Centrão, bloco amorfo de partidos que apóia presidentes em troca de cargos governamentais e fatias do orçamento público. O Bolsonaro conta atualmente com o apoio do bloco.

“Você pode conversar com todos, mas precisa ter princípios, valores e limites. Pense na década de 1990, era possível construir o Plano Real [economic stabilisation programme] porque você tinha uma coalizão política entre três partidos. Precisamos fazer algo semelhante. ”

READ  30 Melhor nossas noites para você

Matias Spektor, professor da Fundação Getúlio Vargas, disse que Bolsonaro precisava “vigiar seu flanco direito de Moro”, que poderia atrair eleitores que apoiaram o presidente nas eleições de 2018.

“Moro tem enormes taxas de rejeição, mas sua campanha apenas começou. Ele fez todos os ruídos que se poderia esperar. Ele pode se tornar uma força poderosa para o Bolsonaro contar. ”

Reportagem adicional de Carolina Ingizza

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1SERGIPE.COM.BR PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
N1 Sergipe