Independência do Banco Central chega ao Brasil por Juliana B. Bolzani, et al

A independência do banco central é uma escolha democrática que permite separar a criação de dinheiro do financiamento do governo, estabelecendo as bases para o crescimento econômico sustentável. A recém-adotada lei de autonomia brasileira é, portanto, uma conquista histórica a ser celebrada – e tratada com cuidado.

BRASÍLIA – No final de fevereiro, após 30 anos de debates no Congresso Brasileiro, Lei Complementar nº 179 entrou em vigor, conferindo “autonomia técnica, operacional, administrativa e financeira” ao Banco Central do Brasil (BCB). A questão tem sido tão divisiva que o termo tradicional “independência” teve que ser substituído por “autonomia”, com menos carga política. Apesar desse e de outros compromissos, no dia seguinte à promulgação do projeto de lei, dois partidos políticos entraram com um ação na Suprema Corte questionando sua constitucionalidade.

Então, por que insistir em ter um BCB autônomo?

A nova lei de autonomia conclui um projeto institucional de longa duração que começou com a adoção de uma nova constituição pelo Brasil em 1988. Artigo 164 da Constituição estabeleceu dois pilares da independência do banco central: ao BCB foi concedida autoridade única para emitir a moeda oficial do Brasil e foi proibido de financiar o Tesouro ou conceder empréstimos a instituições não financeiras.

Esse quadro foi aprimorado em 1999, quando o Brasil reformulou suas políticas monetária e cambial, após uma grave crise financeira. Naquele ano, o país abandonou a paridade cambial ao dólar e passou a adotar um sistema de câmbio flexível, o que possibilitou a implantação de um regime de metas de inflação. Essa mudança reforçou a percepção de que o BCB gozava de independência de fato dentro do governo.

A nova lei significa que a autonomia do BCB passou a ser explicitamente garantida por lei federal. Além disso, a legislação acrescenta uma peça que faltava ao quadro jurídico que apoia a independência do banco central. Pela lei de autonomia, o presidente do BCB e oito diretores serão indicados pelo presidente do Brasil e confirmados pelo Senado, cumprem mandatos escalonados de quatro anos com possibilidade de recondução uma vez, podendo ser destituídos apenas por justa causa.

A lei de autonomia também desfaz o mito de que a independência do banco central cria uma superpotência institucional inexplicável. Embora o BCB não tenha “vínculos ou subordinação hierárquica a nenhum Ministério”, suas ações continuarão sujeitas a revisão judicial e fiscalização do Congresso. Por exemplo, a lei exige que o presidente do BCB “apresente ao Senado Federal, em audiências públicas a serem realizadas no primeiro e segundo semestres de cada ano, um relatório de inflação e um relatório de estabilidade financeira explicando as decisões tomadas no semestre anterior”.

Inscreva-se no Project Syndicate

Bundle2021_web4

Inscreva-se no Project Syndicate

Aproveite o acesso ilimitado às idéias e opiniões dos principais pensadores do mundo, incluindo leituras longas semanais, resenhas de livros, coleções de tópicos e entrevistas; O ano que se segue revista impressa anual; o completo PS arquivo; e mais. Tudo por menos de US $ 9 por mês.

Inscreva-se agora

Assim, após três décadas, o plano constitucional do Brasil para um banco central independente, confiável e responsável está completo. Mas já é tarde demais? A inflação atualmente está baixa em muitos países, e a pandemia de COVID-19 está mostrando que, sem apoio monetário, os governos podem não ter poder de fogo fiscal suficiente para ajudar os necessitados. Alguns, portanto, argumentam que o justificativa teórica pois a independência do banco central é mais fraca do que antes.

Nós discordamos. Primeiro, mesmo quando a pressão inflacionária não é uma preocupação, os bancos centrais ainda precisam lidar com outras questões politicamente sensíveis. Desde estabelecer taxas de juros negativas e administrar reservas internacionais até fornecer assistência de liquidez ou até mesmo deixar um banco quebrar, muitas decisões dos bancos centrais podem se tornar controversas e sujeitas a pressão política. Os líderes mercuriais frequentemente demitido dirigentes de bancos centrais por outros motivos que não o aumento da inflação e taxas de juros

A independência do banco central é ainda mais importante quando a instituição recebe um mandato mais amplo, como aconteceu recentemente no Brasil. Além do “objetivo fundamental” do BCB de garantir a estabilidade de preços, a lei de autonomia acrescenta três objetivos secundários: “promover a estabilidade e a eficiência do sistema financeiro, suavizar as flutuações no nível de atividade econômica e promover o pleno emprego”. Se o BCB não fosse independente, poderia ficar sob pressão política para usar sua autoridade mais ampla para defender as prioridades partidárias, potencialmente impedindo que os formuladores de política monetária encontrassem o equilíbrio certo entre seus múltiplos objetivos.

Em segundo lugar, a ideia de que qualquer governo no controle de sua moeda soberana pode usar a “máquina de impressão de dinheiro” Csem se preocupar sobre déficits de trilhões de dólares ou dívida nacional crescente é altamente enganoso. Controlar a pressão inflacionária criada pela emissão infinita de dinheiro pode ser relativamente simples para um punhado de países que têm uma moeda internacional amplamente aceita, taxas de juros estruturalmente baixas e uma dívida total (pública e privada) que é predominantemente denominada em sua própria moeda.

Para todos os outros países, inclusive o Brasil, criar moeda e abastecer a economia com liquidez é fácil, mas retirar o excesso de liquidez posteriormente é muito mais difícil. Muitos banqueiros centrais podem ter a coragem de implementar políticas de aperto impopular em resposta ao aumento da inflação. Mas eles podem acabar perdendo o emprego se sua instituição não for suficientemente independente.

A independência do banco central é uma escolha democrática que permite separar a criação de dinheiro do financiamento do governo, estabelecendo as bases para o crescimento econômico sustentável. Sem ela, os interesses coletivos e os valores públicos que os bancos centrais protegem e promovem estão em risco. A lei de autonomia brasileira deve ser celebrada – e tratada com cuidado.

READ  Anvisa deve liberar vacina da Astrazeneca antes do Coronavac

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe