Ex-funcionário do Ministério da Saúde do Brasil preso no Senado

O ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, em reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar ações e gestão do governo durante a pandemia da doença coronavírus (COVID-19), no Senado Federal em Brasília, julho 7 de 2021. REUTERS / Adriano Machado

BRASÍLIA, 7 de julho (Reuters) – O drama eclodiu no Congresso brasileiro na quarta-feira, quando um ex-funcionário do Ministério da Saúde foi preso por ordem do parlamentar que liderava um inquérito no Senado sobre a forma como o governo está lidando com a crise do COVID-19.

Roberto Dias havia sido diretor de logística do Ministério da Saúde, mas foi demitido na semana passada após ser acusado de pedir propina na aquisição do COVID-19 indiano disparado contra Covaxin. Ele negou a acusação.

Ele foi preso a mando do senador Omar Aziz sob a alegação de que ele mentiu em seu depoimento à investigação do Senado (CPI) no início do dia.

O painel do Senado que conduz a investigação sobre como o governo está lidando com a crise tem o poder de deter. Não ficou claro se ele será interrogado pela Polícia Civil ou Federal.

A Suprema Corte aprovou uma investigação sobre o papel do presidente Jair Bolsonaro no negócio. Bolsonaro nega qualquer irregularidade.

“Prender alguém não é uma decisão fácil. Mas não posso deixar a CPI virar motivo de chacota. Temos mais de 527 mil mortos nessa pandemia. E as pessoas estão negociando com vacinas. A comissão busca justiça para o Brasil”, escreveu Aziz no Twitter .

“Não daremos ouvidos a um funcionário público que pediu suborno. E quem vier testemunhar pensando que pode bagunçar, terá o mesmo destino”, acrescentou.

O acusador de Dias, Luiz Paulo Dominguetti, afirma ser representante de uma empresa que negociou o negócio.

READ  Brasil concede ampla autorização para termelétricas em caso de seca

Dias disse à CPI que o encontro foi um acaso. Mas as mensagens de áudio do celular de Dominguetti divulgadas à CPI pareciam sugerir que a reunião estava marcada com antecedência.

Os senadores pediram a Aziz que reconsiderasse a ordem de prisão de Dias, argumentando que outras testemunhas da CPI também foram liberais com a verdade e não foram presas.

Mas Aziz se recusou a ceder e Dias foi levado embora pela polícia do Congresso.

Reportagem de Ricardo Brito e Maria Carolina Marcello Escrita de Jamie McGeever; Edição de David Gregorio

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe