É hora de os países das Américas chegarem a um acordo para gerenciar a migração juntos

Chegou a hora de um Acordo de Migração para as Américas, um esforço ambicioso e integrado em todo o hemisfério para trazer ordem ao movimento caótico de pessoas resultante de uma série de crises em cascata no hemisfério ocidental.

Esse acordo é importante em seus próprios termos, dada a vulnerabilidade das populações em movimento, mas talvez seja ainda mais importante para neutralizar uma sensação de caos que alimenta narrativas autoritárias que atacam democracias frágeis nos Estados Unidos e nas Américas.

Mesmo antes dos naufrágios econômicos da pandemia COVID-19, que aumentou a pobreza em 22 milhões de novos pobres e 8 milhões de novos extremamente pobres somente em 2020, de acordo com as Nações Unidas, o movimento de populações na América Latina e no Caribe estava se intensificando.

Centenas de milhares de Haitianos deixaram Hispaniola desde janeiro de 2010, de acordo com o Migration Policy Institute, muitos para países da América do Sul. Pelo menos 4,6 milhões Venezuelanos fugiram de um regime autoritário e corrupto desde 2015, com mais de 85% se instalando na América Latina e no Caribe.

À medida que a Nicarágua caiu ainda mais na ditadura, mais nicaragüenses fugiram, a maioria para a Costa Rica, mas cada vez mais em direção aos Estados Unidos. Os cubanos, cujo acesso ao canal ordenado de 20.000 vistos anuais de migração para os Estados Unidos que vigoraram de 1994 a 2017, foi negado, estão cada vez mais fazendo parte de canais irregulares que levam à fronteira EUA-México.

Centro-americanos continuaram a fugir um status quo fracassado que os trata como commodities de exportação exacerbada pelos furacões Eta e Iota no final de 2020 e os efeitos crescentes da crise climática.

READ  Distrito urbano do Brasil afundando no mar após desvio do rio

Diante dessa realidade, um acordo deve partir de um entendimento comum sobre o que ajudará ou não a ordenar a migração. A lição da jornada de 14.000 haitianos, a maioria dos quais passou anos no Brasil e no Chile, para Del Rio no mês passado, deve servir de guia. Se um dos trechos mais densos de selva do mundo, o Darien ao longo da fronteira Colômbia-Panamá, não dissuadir essas pessoas desesperadas, qualquer sistema que dependa principalmente do aumento das fronteiras políticas, pelo menos nas atuais circunstâncias afetadas pelo COVID, está condenado a falhou.

A responsabilidade compartilhada deve estar no centro do acordo, mas não como uma tentativa de colocar os parceiros de todo o hemisfério como países de primeiro refúgio. Uma abordagem semelhante falhou em uma Europa política e economicamente mais coerente. É difícil imaginar como isso poderia funcionar nas Américas.

Em vez disso, o acordo deve mitigar, gerenciar e ordenar os fluxos migratórios de pelo menos quatro maneiras.

Em primeiro lugar, deve reconhecer e construir sobre o o sucesso da região, embora desigual, na gestão da migração venezuelana com quase nenhum suporte internacional. Os Estados Unidos poderiam fornecer apoio político e financeiro para programas ambiciosos de regularização e integração em toda a região, com ênfase particular em países com populações migrantes precárias significativas.

Em segundo lugar, os países em toda a região, do Canadá ao Chile, devem trabalhar com as agências relevantes das Nações Unidas para aprimorar os mecanismos de proteção (incluindo os temporários) para as populações deslocadas interna e internacionalmente mais vulneráveis. A sociedade civil é um parceiro fundamental em todas as Américas no fornecimento de proteção e botas no terreno, e deve fazer parte do acordo.

READ  30 Melhor Contos De Fadas Nordicos para você

Terceiro, as vias complementares (reunificação familiar, liberdade condicional humanitária, patrocínio e outros) e as vias de trabalho devem ser estabelecidas em todo o hemisfério por meio do acordo. Esses caminhos não podem e não devem levar a um destino exclusivo; esta é uma função que pode ser compartilhada pelos países em cada sub-região e não apenas ou principalmente pelos Estados Unidos.

Quarto, qualquer acordo deve incluir esforços tangíveis para abordar as causas profundas agudas da migração, especialmente para as populações mais vulneráveis. Isso inclui reunir instituições de financiamento do desenvolvimento hemisférico, regional, sub-regional e bilateral para apoiar programas de empregos e outros recursos de desembolso rápido para as comunidades receptoras; intensificando a diplomacia de vacinas dos EUA; e continuar a focar na governança. Também significa tomar medidas para aliviar as condições da crise humanitária em Cuba e na Venezuela, entendendo cada um deles como um desafio político, não uma questão política a ser enfrentada.

O caminho diplomático para um acordo será complexo, mas deve ser percorrido rapidamente, seja por meio de uma série de reuniões sub-regionais até chegar a uma reunião ministerial hemisférica antes do final do ano, ou diretamente a essa reunião ministerial de emergência. A Cúpula das Américas do próximo ano deve ser usada para avaliar o progresso do acordo e fazer ajustes conforme necessário. Não pode ser usado para lançar o acordo. Seria muito tarde.

As pessoas estão se mudando nas Américas; nenhum país pode impor sua saída desta realidade nem administrá-la sozinho. Cabe aos governos das Américas mitigar, administrar e ordenar esse movimento antes que seja tarde demais para essas pessoas e para a democracia em todo o hemisfério.

Dan Restrepo serviu como assistente especial do presidente Barack Obama para assuntos do hemisfério ocidental. Ele escreveu esta coluna para o The Dallas Morning News.

READ  30 Melhor l'oreal para você

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe