Dúvidas persistem sobre a missão do exército para salvar a floresta tropical do Brasil

A escala da implantação militar do Brasil na floresta amazônica é mais bem ilustrada com números: nos últimos dois anos, quase 4.000 soldados lançaram centenas de missões para combater o desmatamento ilegal, resultando em milhões de dólares em multas e na apreensão de 500.000 metros cúbicos de madeira contrabandeada.

Mas, infelizmente para as Forças Armadas do país – que no mês passado se retiraram da maior floresta tropical do mundo após o encerramento das Operações Brasil Verde 1 e 2 – os números mais importantes são menos impressionantes.

Apesar da presença das tropas, o desmatamento na Amazônia no ano passado atingiu seu nível mais alto em 12 anos, com madeireiros ilegais, garimpeiros e grileiros derrubando mais de 11.000 quilômetros quadrados de floresta – uma área sete vezes o tamanho de Londres.

Essa destruição gerou uma pressão global crescente sobre o Brasil, em meio a preocupações com o impacto da perda generalizada de árvores nas mudanças climáticas.

“As tropas fizeram o melhor que puderam”, disse Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente do Brasil. “A aplicação da lei na Amazônia não é uma tarefa fácil e nós reconhecemos isso. É um grande território com muitos obstáculos e é muito, muito caro. ”

No entanto, outros são menos tolerantes, com analistas independentes e profissionais de fiscalização ambiental descrevendo a implantação como uma façanha cara e mal planejada.

Disputa de território

“O exército vinha com operações caras e chamativas – e com certa arrogância”, diz José Augusto Pádua, professor de história ambiental da Universidade Federal do Rio de Janeiro. “Em vez de aprender com quem realmente conhece a floresta tropical, eles vieram com a crença de que sabem como resolver tudo.”

READ  Myah Selland, do estado de Dakota do Sul, é eleito finalista regional para toda a América

Os críticos dizem que o pessoal destacado – que incluía o Exército, Força Aérea e Marinha – não tinha a agilidade necessária para capturar equipes altamente móveis de madeireiros e garimpeiros na densa floresta tropical.

“A estrutura do Exército não é adequada para o combate ao desmatamento”, diz um agente do Ibama, principal órgão de fiscalização ambiental do Brasil ao lado do grupo irmão ICMBio.

“Por exemplo, os helicópteros do Exército são muito grandes e, portanto, não podem pousar em locais de desmatamento, além de serem muito caros.”

Para o Ibama, a presença dos militares em seu território tem sido um ponto sensível, sem financiamento desde que Jair Bolsonaro se tornou presidente e indicou Salles para o relatório ambiental em 2019. Ambos são regularmente acusados ​​por ambientalistas de apoiar tacitamente madeireiros ilegais e ouro selvagem mineiros. O Ibama e o ICMBio, que se concentra principalmente nos parques nacionais do Brasil, tiveram seus orçamentos reduzidos em mais de 30% em cada um dos últimos dois anos.

Gráfico de colunas de km² mostrando o desmatamento na Amazônia brasileira *

O Ibama tem atualmente um orçamento anual para o combate aos crimes ambientais de R $ 64,5 milhões ($ 12 milhões) por ano. Em comparação, a implantação militar de dois anos custou quase US $ 100 milhões, de acordo com o Ministério da Defesa do Brasil.

“Tivemos ações isoladas do Exército, que geraram alguns resultados, alguns impactos, mas muito aquém do que seria alcançado se tivéssemos integração com órgãos federais como o Ibama”, diz André Guimarães, diretor-executivo do Instituto de Pesquisas Ambientais da Amazônia, a sem fins lucrativos que promove o desenvolvimento sustentável. Ele ressalta que o Ibama foi forçado a jogar o segundo violino em muitas das operações militares.

“A inteligência sobre o desmatamento vem do Ibama”, afirma. “Mas o Ibama está fragilizado e isolado desde o início deste governo.”

READ  O GDPR criou uma receita para o mundo

Quais números contam?

O Exército do Brasil há muito tem um interesse pronunciado pela Amazônia e, durante grande parte do século 20, viu o desenvolvimento da floresta tropical como crucial para garantir a soberania do país sobre suas fronteiras remotas. Durante a ditadura militar brasileira, entre 1964 e 1985, unidades foram enviadas à região para construir estradas, poucas das quais resistiram ao calor e às chuvas fortes.

“A defesa é a principal função das Forças Armadas, mas elas também atuam na construção, educação e saneamento”, diz Alcides da Costa Vaz, diretor da Associação Brasileira de Estudos de Defesa. “O combate ao desmatamento não é típico, mas eles possuem equipamentos e recursos úteis para esse tipo de missão.”

Em nota ao Financial Times, o Ministério da Defesa do Brasil afirma que o desdobramento das forças foi um “sucesso” e isso “pode ser visto quando observamos os resultados já obtidos”.

“Os alertas de desmatamento na região caíram 19,1 por cento entre agosto e março de 2020/2021 em relação ao mesmo período [a year earlier], ”Diz o ministério, acrescentando que mais de 100.000 patrulhas foram realizadas.

“Em termos de resultados efetivos, há a apreensão de 504 mil metros cúbicos de madeira, 2.067 embarcações e 899 veículos e tratores. Ao todo, foram aplicadas 5.422 multas e termos de infração, no valor de R $ 3,3 bilhões ”, afirma o ministério, destacando que o Exército atuou em parceria com os órgãos ambientais do Brasil.

Os militares se retiraram da floresta no final de abril e o ônus da fiscalização voltou ao Ibama e a outros órgãos.

“O deslocamento das Forças Armadas foi uma tentativa de gerar esperança, mas acabou frustrando mais do que realmente trazendo resultados”, diz Guimarães.

READ  IGC lança Wild Rift Tournament no Brasil, parceria com Razer

“Houve aumento do desmatamento e das queimadas no ano passado. Os números não mentem.”

Reportagem adicional de Carolina Pulice

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe