Diretor da CIA pediu a Bolsonaro que pare de duvidar do sistema de votação do Brasil – relatório | Brasil

O diretor da CIA, William Burns, pediu a Jair Bolsonaro que pare de questionar o sistema de votação de seu país, afirma-se, em meio a temores crescentes de que o presidente brasileiro possa se recusar a aceitar a derrota nas eleições deste ano.

Pesquisas sugerem que Bolsonaro, um populista de extrema direita famoso por sua adulação a Donald Trump, terá dificuldades para garantir um segundo mandato quando cerca de 150 milhões de brasileiros forem às urnas em outubro para escolher seu próximo líder.

O rival de esquerda de Bolsonaro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, está atualmente na pole position e anunciará formalmente sua candidatura em uma convenção em São Paulo neste fim de semana.

A possibilidade de uma vitória de Lula parece ter assustado Bolsonaro, que aumentou sua retórica antidemocrática nas últimas semanas, revivendo dúvidas infundadas sobre a confiabilidade do sistema de votação eletrônica do Brasil.

Tais alegações – parte de uma longa campanha de Bolsonaro para deslegitimar o processo eleitoral para ganho político – alarmaram tanto os oponentes de Bolsonaro quanto membros da comunidade internacional.

Na quinta-feira, a Reuters afirmou que no ano passado o chefe da CIA havia dito a altos funcionários de Bolsonaro que seu presidente deveria parar de lançar dúvidas sobre o sistema de votação do Brasil durante um encontro privado “íntimo” na capital, Brasília.

Quando o encontro aconteceu, em julho do ano passado, Bolsonaro insinuado A visita de Burns foi parcialmente motivada pela preocupação dos EUA com a situação política em países vizinhos como Venezuela, Bolívia, Argentina e Chile. No entanto, a Reuters afirmou que Burns havia manifestado preocupação com a situação no Brasil, dizendo a dois dos aliados mais próximos de Bolsonaro que “o processo democrático era sagrado e que Bolsonaro não deveria estar falando dessa maneira” sobre a eleição.

“Burns estava deixando claro que as eleições não eram um assunto com o qual eles deveriam mexer”, disse uma fonte anônima à Reuters, insistindo que os comentários não constituíam uma palestra.

Brian Winter, editor-chefe do Americas Quarterly, disse que a iniciativa reflete uma preocupação genuína dos EUA. “Washington está preocupado com Bolsonaro subvertendo a eleição de outubro”, Winter tuitou.

Alguns descartam os ataques de Bolsonaro ao sistema eleitoral do Brasil como uma fanfarronice sem sentido projetada para incendiar sua base de apoio. Durante uma recente visita ao nordeste do Brasil, Bolsonaro disse elipticamente aos apoiadores que eles poderiam ter certeza de que “os votos serão contados” e deu a entender que deveriam comprar armas declarando: “Uma população armada nunca será escravizada”.

Mas há sinais claros de preocupação dentro do establishment brasileiro de que, como Trump em novembro de 2020, Bolsonaro possa se recusar a admitir a derrota com consequências imprevisíveis.

No início deste ano, a principal autoridade eleitoral do Brasil convidou representantes da União Européia para monitorar a eleição – a primeira vez que tal pedido foi feito. O convite teria sido retirado após pressão de Bolsonaro, mas os temores persistem.

Natália Bonavides, deputada do Partido dos Trabalhadores (PT) de Lula, alertou contra a subestimação dos pronunciamentos de Bolsonaro: “Acho um erro pensar que tudo o que Bolsonaro diz é simplesmente bravata”.

Bonavides teme que Bolsonaro possa estar abrindo caminho para uma versão sul-americana da insurreição de 6 de janeiro em Washington, quando partidários enfurecidos de Trump invadiram o Capitólio após a vitória de Joe Biden.

“Tudo o que você precisa fazer é olhar o que aconteceu nos Estados Unidos para ver como o que é supostamente bravata pode se tornar ação … e pode até matar pessoas”, disse Bonavides em uma entrevista recente.

“Estas serão eleições difíceis, possivelmente violentas – e o que acontecer depois delas será muito importante. O resultado será aceito? E, se vencermos, haverá uma transição pacífica?” perguntou Bonavides.

READ  A política climática do Brasil está mudando. Isso importa para todo o planeta.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1SERGIPE.COM.BR PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
N1 Sergipe