Desmatamento na Amazônia brasileira aumenta para pior em 15 anos

A área desmatada na Amazônia brasileira atingiu o recorde de 15 anos, após um aumento de 22% em relação ao ano anterior, de acordo com dados oficiais publicados quinta-feira

O sistema de monitoramento do Prodes do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais mostrou que a Amazônia brasileira perdeu 13.235 quilômetros quadrados de floresta tropical no período de referência de 12 meses de agosto de 2020 a julho de 2021. Esse é o máximo desde 2006.

A Amazônia brasileira não registrou um único ano com mais de 10.000 quilômetros quadrados de desmatamento em mais de uma década antes do início do mandato de Jair Bolsonaro. em janeiro de 2019. Entre 2009 e 2018, a média foi de 6.500 quilômetros quadrados. Desde então, a média anual saltou para 11.405 quilômetros quadrados, e o total de três anos é uma área maior que o estado de Maryland.

READ  Brasil registra mais de 49.000 novos casos de coronavírus - últimas atualizações

“É uma vergonha. É um crime ”, disse Márcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, uma rede de organizações ambientais sem fins lucrativos, à Associated Press. “Estamos vendo a floresta amazônica sendo destruída por um governo que fez da destruição do meio ambiente sua política pública”.

Bolsonaro assumiu o cargo com promessas de desenvolver a Amazônia e rejeitando o clamor global sobre sua destruição. Seu governo desonrou as autoridades ambientais e apoiou medidas legislativas para afrouxar a proteção da terra, encorajando os grileiros. Esta semana, em uma conferência nos Emirados Árabes Unidos para atrair investimentos, ele disse à multidão que os ataques ao Brasil por desmatamento são injustos e que a maior parte da Amazônia permanece intocada.

O Ministério do Meio Ambiente do Brasil não respondeu imediatamente a um e-mail da AP solicitando comentários sobre os dados do Prodes que mostram maior desmatamento.

O estado do Pará foi responsável por 40% do desmatamento de agosto de 2020 a julho de 2021, de acordo com os dados, a maior parte de qualquer um dos nove estados da região amazônica. Mas seu aumento ano a ano foi pequeno em comparação aos estados de Mato Grosso e Amazonas, que juntos foram responsáveis ​​por 34% da destruição da região. Os dois estados sofreram 27% e 55% a mais de desmatamento, respectivamente.

E os primeiros dados para o período de referência 2021-2022 sinalizam uma deterioração adicional. O sistema de monitoramento mensal da agência espacial, Deter, detectou maior desmatamento ano a ano durante setembro e outubro. O Deter é menos confiável do que o Prodes, mas amplamente visto como um indicador importante.

“Este é o verdadeiro Brasil que o governo Bolsonaro tenta esconder com discursos fantásticos e ações de greenwashing no exterior”, disse Mauricio Voivodic, diretor executivo do grupo ambientalista internacional WWF para o Brasil, em nota após a divulgação dos dados do Prodes. “A realidade mostra que o governo Bolsonaro acelerou o caminho de destruição da Amazônia.”

READ  Brasil não participa da turnê do Blinken South America

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe