Desmatamento da floresta amazônica brasileira bate recorde em abril

Em meio ao agravamento da crise das mudanças climáticas, o desmatamento da Amazônia brasileira continua a ser um grande problema, tendo batido mais um recorde no mês passado.

A área de floresta destruída – 580 quilômetros quadrados (225 milhas quadradas) – marcou um novo recorde para o mês de abril e um aumento de 42,5% ano a ano, de acordo com o monitoramento por satélite da agência espacial brasileira INPE. Seus dados remontam a 2015.

O nível de março também foi superior ao de 12 meses antes, e se seguiu a dois meses de queda na estação chuvosa, quando a atividade madeireira diminui.

Apesar das altas em março e abril, nos primeiros quatro meses do ano o corte de árvores para fornecer madeira e desmatamento para a agricultura caiu 3,9% em relação ao mesmo período de 2020, disse o INPE.

A estação seca, que atinge o pico em julho e agosto, é quando ocorre a maior parte do desmatamento.

Os recordes foram alcançados nas últimas três temporadas de seca, disse o INPE.

A Amazônia, a maior floresta tropical do mundo, é considerada vital para conter as mudanças climáticas por causa do dióxido de carbono que absorve da atmosfera.

Cerca de 60% da floresta tropical está no Brasil.

“No momento não é possível dizer o que vai acontecer, mas em 2021 pode haver um quarto recorde de desmatamento consecutivo”, disse o Observatório do Clima, um grupo de 63 ONGs e organizações sociais.

Bolsonaro, um cético de extrema direita em relação às mudanças climáticas, chegou ao poder em 2019 encorajando a exploração comercial da floresta tropical e chamando os grupos conservacionistas de “câncer”.

No entanto, no mês passado, ele prometeu “eliminar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030”, 10 anos antes do planejado inicialmente.

READ  Oscar quer voltar e terminar sua carreira no Chelsea

ONGs ambientais expressaram dúvidas de que o Brasil, sob o governo de Bolsonaro, cumprirá essa promessa.

“Em 2021 não há esforço federal para controlar o desmatamento”, disse o Observatório do Clima.

O órgão do governo que realiza fiscalizações na Amazônia “não está fazendo nada” e o processo de punição dos infratores foi interrompido, acrescentou.

Um estudo publicado na semana passada pela revista Nature Climate Change disse que a Amazônia brasileira liberou quase 20% mais dióxido de carbono na atmosfera na última década do que absorveu.

Este relatório mostra que a humanidade não pode mais depender da maior floresta tropical do mundo para ajudar a absorver a poluição de carbono produzida pelo homem.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe