Desmatamento da Amazônia piora apesar das promessas do presidente brasileiro – MercoPress

Desmatamento da Amazônia piora apesar das promessas do presidente brasileiro

Segunda-feira, 9 de agosto de 2021 – 08:19 UTC


Bolsonaro agora está “tentando recompensar aqueles que praticam o desmatamento ilegal e roubo de terras”, disse Mazzetti, do Greenpeace.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou no último final de semana dados atualizados sobre o desmatamento da Amazônia entre agosto de 2020 e julho de 2021.

De acordo com os números mais recentes, foi detectada uma perda de 8.712 quilômetros quadrados, tornando-se o segundo maior desmatamento anual já medido pelo sistema de alerta Determin, que é baseado em dados de satélite de alta resolução.

Essa tecnologia é capaz de discriminar polígonos maiores que 6,25 hectares e tem mostrado corte raso, desmatamento com vegetação e áreas de mineração ilegal, além do processo de degradação em diferentes intensidades, vestígios de fogo e cortes seletivos. O sistema é fundamental na Estratégia do Programa Brasileiro de Monitoramento Ambiental da Biomassa.

?? Após o processo de desmantelamento das leis de proteção ambiental, o governo de Jair Bolsonaro e o Congresso brasileiro estão tentando recompensar aqueles que praticam o desmatamento ilegal e roubo de terras, ?? disse a porta-voz do Greenpeace Brasil Cristiane Mazzetti. ?? Isso vai piorar a atual crise climática e de biodiversidade, ?? ela adicionou.

Segundo a ONG ambientalista internacional, na última terça-feira a Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei PL2633 “para legitimar a apropriação de terras públicas”, que o Greenpeace considera “diretamente relacionado ao desmatamento de um terço de toda a superfície que a Amazônia brasileira perde”. O projeto agora está no Senado.

“Apesar das recentes promessas de (Jair) Bolsonaro de combater o desmatamento ilegal e, embora ele espere negociar acordos comerciais com a União Europeia, os Estados Unidos, o Reino Unido e o Canadá, ele e seus aliados estão promovendo um conjunto de projetos de lei que permitiria mais desmatamentos e prejudicaria os direitos dos povos indígenas sobre seus territórios ”, insistiu Mazzetti, referindo-se às promessas do presidente brasileiro durante a última Cúpula de Líderes do Clima quando se comprometeu a aumentar o volume de operações contra o desmatamento na Amazônia no curto prazo .

READ  O mapa mostra até que ponto a variante do coronavírus Lambda se espalhou após ser encontrada na América do Sul

Em vez disso, o governo de Bolsonaro continua enfraquecendo a capacidade dos órgãos ambientais e “pelo terceiro ano consecutivo as Forças Armadas são mais uma vez usadas para investigar crimes ambientais, uma estratégia que se mostrou ineficaz”, destacou Mazzetti.

Ela também alertou que “se o Senado brasileiro aprovar a lei sobre grileiros, o colapso da Amazônia se precipitará, destruindo partes da floresta tropical que são fundamentais para prevenir os piores cenários de emergências climáticas e de biodiversidade”.

O Greenpeace Brasil voa regularmente sobre a Amazônia para monitorar o desmatamento e incêndios florestais em alertas do sistema Deter (Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real) e Prodes (Projeto de Monitoramento por Satélite da Amazônia Brasileira).

A entidade também fez a varredura de hot spots divulgados pelo Inpe nos estados de Amazonas, Rondônia, Mato Grosso e Pará.

Durante um vôo na última semana de julho, o Greenpeace Brasil avistou incêndios em várias áreas afetadas pelo desmatamento, incluindo uma área de 2.716 hectares, que a ONG explicou ser equivalente a 3.888 campos de futebol.

Uma pesquisa liderada pela Universidade de Leeds, na Inglaterra, alertou que as florestas tropicais amazônicas podem correr um risco de seca extrema muito maior do que se pensava anteriormente. O estudo alerta que grandes áreas da parte oriental da Amazônia enfrentam sérios ressecamentos até o final do século, caso não sejam tomadas medidas para conter as emissões de carbono. Como consequência, grandes quantidades de dióxido de carbono seriam liberadas da floresta tropical para a atmosfera, aumentando o efeito estufa que acelera as mudanças climáticas.

A estação seca do Rio Amazonas ameaçaria ainda mais a viabilidade de grandes partes da floresta tropical, pois as árvores já estão sob estresse hídrico e há um risco maior de incêndios florestais.

READ  Aos 21 anos, o homem brasileiro deve ser um dos mais jovens admitidos na Ordem dos Advogados do Estado de Nova York nas décadas

As secas previstas também podem ter consequências de longo alcance para o ciclo da água da Amazônia, a biodiversidade e a população que vive na região. Os resultados, publicados na revista Environmental Research Letters, prevêem reduções nas chuvas comparáveis ​​às registradas durante as grandes secas de 2005 e 2010, que causaram ampla mortalidade de árvores e tiveram grandes impactos nas comunidades amazônicas.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe