Coronavírus e conflito ameaçam a Copa América daqui a um mês

Emitida em:

Buenos Aires (AFP)

Com a Copa América marcada para começar em um mês, a incerteza permanece sobre se ela realmente irá acontecer, já que os anfitriões Argentina e Colômbia lutam, respectivamente, com a pandemia do coronavírus e a agitação civil.

A decisão final deve ser tomada na quinta-feira, quando o Conselho da CONMEBOL, que dirige o futebol sul-americano, se reúne, com a presença dos presidentes das 10 federações.

Uma fonte da CONMEBOL disse à AFP na quarta-feira que o órgão espera que o torneio prossiga conforme planejado.

Também não há medo de que os clubes europeus – que ameaçaram impedir os jogadores de participarem das eliminatórias para a Copa do Mundo em março devido à possibilidade de restrições de quarentena em seu retorno – se oponham, ou seja, estrelas como Lionel Messi do Barcelona e Neymar do Paris Saint- Germain deve aparecer.

No entanto, a Argentina, que deve receber a partida de abertura em 13 de junho, está atolada em seu pior momento desde o início da pandemia. Mais de três milhões de pessoas contraíram o vírus, 68.000 das quais morreram de Covid-19.

A Colômbia foi impedida por duas semanas de agitação social, resultando em 42 mortes e centenas de feridos, enquanto os manifestantes entraram em confronto com a polícia, cuja resposta violenta recebeu condenação internacional.

O país também permanece submerso pelo coronavírus com três milhões de casos e 78.000 mortes.

“É provável que o pico de infecções não caia” quando o torneio começar, disse Diego Rosselli, professor de epidemiologia da Universidade Javeriana em Bogotá, à AFP.

No entanto, há precedentes aqui, já que a Colômbia conseguiu sediar a Copa em 2001, apesar de o país estar dominado por um conflito de décadas com guerrilheiros de esquerda.

READ  Neymar marca enquanto o Brasil segue marchando para as finais da Copa do Mundo

Naquela época, a Argentina e os convidados Canadá desistiram, com Costa Rica e Honduras convocados como substitutos tardios. Brasil e Uruguai enviaram times de segunda linha, mas o torneio transcorreu sem incidentes e a Colômbia venceu pela primeira vez.

– Apoio do presidente da Colômbia –

Mas, embora grande parte do mundo esteja em confinamento, o futebol profissional tem se mostrado resistente à maioria das medidas de contenção.

“Estamos jogando futebol casualmente com uma montanha de infecções”, disse o ex-técnico da Argentina, Angel Cappa.

O torneio tem o apoio do ex-presidente da Colômbia, Ivan Duque.

“Seria um absurdo não jogar a Copa América se eles estivessem jogando o Europeu, até porque os números epidemiológicos em alguns países (europeus) são os mesmos, ou mesmo, em alguns lugares, piores” do que na América do Sul, ele disse.

O presidente da Argentina, Alberto Fernandez, não está tão confiante, dizendo recentemente: “Não quero atrapalhar a Copa, mas temos que ser muito sensatos”.

A esperança da CONMEBOL de ter fãs nos estádios também parece destinada a ser frustrada.

Com as unidades de terapia intensiva à beira do colapso, Fernan Quiros, o ministro da Saúde de Buenos Aires, alertou que a cidade “não pode organizar espetáculos com grandes multidões”.

A CONMEBOL parece não estar ouvindo e lançou a música oficial do torneio.

“É um sinal inequívoco de que o trabalho continua”, disse uma fonte à AFP.

Do jeito que as coisas estão, segue em frente a partida de estreia entre Argentina e Chile, no estádio Monumental, em Buenos Aires.

Assim como a final na cidade colombiana de Barranquilla no dia 10 de julho.

– Vacinas chinesas –

As competições continentais da Copa Libertadores e Sudamericana foram interrompidas pela agitação e pandemia colombiana, mas a CONMEBOL começou a vacinar jogadores de futebol na semana passada graças a 50.000 doses de vacinas doadas pela empresa farmacêutica estatal chinesa Sinovac.

READ  30 Melhor Capa De Chuva Motoqueiro para você

Até os familiares dos jogadores serão imunizados, enquanto os centros de vacinação foram instalados em Londres, Roma e Madrid para jogadores baseados na Europa.

Árbitros, treinadores e equipe de apoio em clubes profissionais também receberam jabs.

A CONMEBOL parece determinada a fazer tudo ao seu alcance para garantir que as autoridades não tenham motivos para forçar sua mão.

No Brasil, os atuais campeões, o técnico do time Tite e a federação de futebol do país permaneceram calados.

A implantação da vacina no Brasil foi condenada por ser lenta, partes do país viram seus sistemas de saúde entrarem em colapso e 425.000 pessoas morreram de Covid-19.

Para muitos, o futebol deve ser a última coisa em que pensam.

“Desde o início da pandemia, os líderes do futebol brasileiro pensam apenas em si próprios, no jogo e no dinheiro”, disse o ex-internacional brasileiro Walter Casagrande.

raa-das-hro-dm-ol / ma / bc / iwd

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe