Conheça ‘Gordiola’ – a maior resposta do Brasil ao Pep está fazendo história no Ceará

O treinador corpulento tem muito orgulho de seu apelido e atualmente está fazendo um bom trabalho comparando com o técnico do Manchester City

Guto Ferreira viajou por todo o Brasil durante sua longa carreira de treinador.

No entanto, um apelido que lhe foi atribuído pela primeira vez em 2014, durante a gestão da Ponte Preta, agora o segue por onde passa: ‘Gordiola’ (Fattyola).

“Fizemos uma ótima campanha na Série B, e [famous Brazilian journalist] O Flávio Prado, torcedor ferrenho da Ponte, acabou me homenageando com esse apelido ”, explicou Ferreiro aos jornalistas em 2019.

Em vez de ficar ofendido com a referência ao seu peso, o jogador de 55 anos tem um enorme orgulho em ser comparado ao ícone do treinador Pep Guardiola.

“[The nickname] foi realmente ótimo porque ajudou a quebrar o estereótipo do homem gordo “, explicou ele.” Pessoas gordas enfrentam muita rejeição e tudo isso trouxe um novo apreço pelo meu trabalho. ”

Ferreira certamente está recebendo muitos elogios pelo trabalho que está fazendo agora no Ceará.

Ele levou o clube à vitória na prestigiosa Copa Nordeste no início de 2020 – título que também conquistou com o Bahia – e, na Série A, conquistou o 11º lugar e uma vaga na Copa Sul-Americana, o que significa participação em competição continental pelo Brasil. primeira vez em 10 anos.

Houve vários resultados memoráveis ​​ao longo do caminho. O campeão Flamengo foi derrotado em casa e fora, enquanto o gigante paulista Corinthians foi derrotado em Fortaleza. Talvez o resultado mais chamativo, no entanto, tenha sido uma goleada por 4 a 1 sobre o Vasco no Rio.

Aquela boa temporada levou a aberturas do Atlético Mineiro, que supostamente queria que Ferreira substituísse Jorge Sampaoli, que iria para o Marselha.

READ  Bruna Marquezine, com look todo rosa, enfeita a ilha para o Reveillon e Manu Gavassi tieta. Vídeo!

Não teria sido uma surpresa ver ‘Gordiola’ seguir em frente, visto que uma carreira de técnico que se estende por quase duas décadas teve mais de 20 passagens por 16 clubes diferentes.

Pela primeira vez, porém, o viajado Ferreira decidiu ficar parado, assinando um novo acordo com o Ceará, o que significa que agora se prepara para a defesa da Copa Nordeste, assim como do próximo Campeonato Cearense.

Curiosamente, Ferreira vem de uma formação que não é do futebol, não tendo praticado o esporte em um nível notável. Ele formou-se em Educação Física em Piracicaba, no estado de São Paulo, e começou a trabalhar no time juvenil do clube local XV ainda na casa dos 20 anos.

Sua promessa foi logo reconhecida pelas maiores seleções do Brasil, e ele passou a desempenhar o mesmo trabalho no São Paulo e depois no Internacional, onde colocou o futuro campeão mundial de Lúcio sob sua asa e venceu a Copa São Paulo Junior de 1998, a mais importante do país. torneio juvenil.

Em 2002, Ferreira foi nomeado técnico da seleção principal do Inter, mas apesar da vitória no campeonato estadual, durou menos de um ano. Seguiu-se um caminho tortuoso pelo curso inferior da pirâmide do futebol, passando por passagens por Portugal com Penafiel e Naval, antes de colocar o seu nome no mapa mais uma vez com a Chapecoense em 2015.

Chape embarcou em uma aventura emocionante na América do Sul sob o comando de Ferreira, derrubando seu ex-clube Ponte Preta e Libertad do Paraguai para chegar às semifinais. Lá, o recém-coroado campeão da Libertadores, o River Plate, esperava.

A derrota por 3-1 em Buenos Aires deixou os pupilos de Ferreira com uma montanha a escalar, mas empurraram o Millonario por todo o caminho na segunda mão, vencendo por 2-1 e ficando um pouco abaixo das últimas quatro.

READ  Resumo do capítulo de hoje, sexta-feira, 20 de novembro · Notícias de TV

No ano seguinte, Chape ergueu o título catarinense, mas, em junho, Ferreira optou pela saída para ocupar a vaga na Bahia.

Seu sucessor, Caio Júnior, levaria o clube à final da Sul-Americana, que terminou em tragédia quando o avião da equipe caiu fora de Medellín, matando o treinador e quase todo o elenco do Chape em uma catástrofe que ecoou pelo mundo.

Ferreira ficou perturbado com o acidente, inicialmente recusando-se a falar com qualquer membro da imprensa enquanto tentava superar sua dor.

Mais tarde, ele disse em uma entrevista coletiva: “É algo que você não pode explicar, quando você está no trabalho, passa mais tempo com eles do que com sua própria família. Eu conheço praticamente todos os caras que estavam lá.

“É um momento muito difícil, horrível, você tenta procurar as palavras para falar alguma coisa, mas não tem nada a dizer. É uma sensação indescritível, tão dolorosa. Eu estou aqui, imagine aqueles lá atrás [in Chapeco]. É traumático ver isso interrompido assim é tão difícil, tão triste. ”

Guto Ferreira Chapecoense GFX

Ferreira desde então se tornou um dos mais ferozes defensores da chamada ‘Lei Caio Junior’, que visa dar mais proteção aos treinadores e, entre outras salvaguardas, fornecer seguro de vida obrigatório para a segurança de suas famílias.

Inicialmente ressentido pelo apoio do Chape devido à forma como saiu, o treinador voltou emocionado ao clube em 2018 com o espectro da tragédia do LaMia ainda se aproximando, antes de perder o emprego no final da temporada.

De lá, foi para o Sport Recife, levando o clube à Série A e disputando mais de 50 jogos antes de sua demissão, no início de 2020, o que possibilitou sua transferência para o Ceará.

READ  XP anuncia oferta pública de US $ 1,3 bilhão em ações - Money Times

Ele pode ter ganhado comparações com Guardiola – um nome que ele insiste que só aceita quando vem com afeto: “Não pode ser usado pejorativamente ou com sentido discriminatório” – mas o lado cearense de Ferreira é muito mais pragmático do que o Manchester City, ou qualquer um dos Ex-times catalães.

“Há um tipo de jogo para cada equipe”, disse Ferreira ESPN . “O Ceará tem uma boa técnica, mas é uma equipe extremamente competitiva, então estamos trabalhando mais defensivamente e ao mesmo tempo sendo incisivos e ofensivos.

“Antes de mais nada, porém, é uma equipe que busca impedir o adversário de jogar e, a partir daí, jogar seu próprio jogo”.

Mesmo assim, o time do Fortaleza marcou 54 golos no Brasileirão, o sexto melhor placar de todo o campeonato, e com 20 jogadores no placar, mostrou que seus gols podem vir de qualquer lugar do campo.

Ferreira agora buscará se sair ainda melhor do que em 2020 e será um dos que assistirão tanto no Brasil quanto na América do Sul enquanto o Ceará tenta provar que o sucesso deste ano não foi flash no pan.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1 Sergipe