Brasil em 2021: Foco na Política Fiscal | Artigo

Apesar do ceticismo, nossas projeções para 2021 são bastante benignas

No geral, esperamos que o governo e o Congresso permaneçam comprometidos com a estrutura fiscal atual. Isso sugere que as expectativas de inflação devem permanecer totalmente estáveis ​​e que o banco central deve ser capaz de manter a taxa de juros inalterada em 2% ao longo de 2021, apresentando riscos de alta para as perspectivas de crescimento do PIB.

Os riscos de inflação aumentaram, em meio ao rápido aumento dos preços dos alimentos e interrupções no fornecimento global, mas o aumento do desemprego e o excesso de capacidade sugerem que as pressões sobre os preços provavelmente serão temporárias.

Atualmente, esperamos que o PIB do Brasil contraia 4,3% em 2020, que está entre os melhores da América Latina e do Caribe, e cresça 3,9% em 2021. Esperamos que 2021 seja melhor do que o esperado.

O fraco desempenho do real brasileiro desde meados de 2019 tem sido impulsionado, em grande parte, pela redução maciça das taxas de juros no país, e como não esperamos nenhuma alta das taxas de juros em 2021, o real deve continuar mal sustentado pela política monetária posição política.

Esperamos um viés de valorização do real brasileiro gradativamente ao longo de 2021, à medida que as contas externas continuem melhorando e os riscos financeiros diminuam, auxiliados pela recuperação e redução dos custos do serviço da dívida.

Um cenário alternativo em que o Congresso abandona a estrutura fiscal existente e escolhe o estímulo fiscal, enquanto isso, criaria um círculo vicioso. Isso irá exacerbar os riscos financeiros, elevar os níveis de prêmio de risco e, em última análise, estimular a dolarização da carteira doméstica, forçando o banco central a apertar a política monetária, levando a uma maior deterioração das perspectivas financeiras.

READ  Ver | Hula, presidente Biden. A América Latina tem uma mensagem para você.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1 Sergipe