Bolívia prende ex-líder em repressão à oposição

LA PAZ, Bolívia (AP) – O presidente interino conservador que liderou a Bolívia por um ano foi preso no sábado enquanto funcionários do governo de esquerda restaurado perseguiam os envolvidos na derrubada do líder socialista Evo Morales em 2019, que eles consideram um golpe, e o administração que se seguiu.

Jeanine Áñez foi detida no início da manhã em sua cidade natal, Trinidad, e foi levada de avião para a capital, La Paz. Ela já havia alertado que as autoridades estavam procurando por ela, chamando isso de “abuso e perseguição” nas postagens do Twitter.

A prisão de Áñez e os mandados contra vários outros ex-funcionários agravaram ainda mais as tensões políticas em um país sul-americano já dilacerado por uma série de erros percebidos sofridos por ambos os lados. Isso inclui queixas de que Morales havia se tornado mais autoritário com quase 13 anos no cargo, que ele ilegalmente concorreu a uma quarta reeleição e, em seguida, supostamente fraudou o resultado, que forças de direita lideraram protestos violentos que levaram as forças de segurança a forçá-lo a renunciar e depois reprimiu seus seguidores, que protestaram contra o suposto golpe.

Dezenas de pessoas foram mortas em uma série de manifestações contra e depois a favor de Morales.

“Isso não é justiça”, disse o ex-presidente Carlos Mesa, que terminou em segundo lugar atrás de Morales em várias eleições. “Eles estão tentando decapitar uma oposição criando uma falsa narrativa de um golpe para distrair de uma fraude.”

Outros mandados de prisão foram emitidos para mais de uma dúzia de outros ex-funcionários. Entre eles estão vários ex-ministros, bem como o ex-líder militar William Kaliman e o chefe de polícia que pediu a Morales que renunciasse em novembro de 2019, depois que o país foi varrido por protestos contra o primeiro presidente indígena do país.

READ  'Tem mais cabelo branco que eu'

Depois que Morales renunciou – ou foi pressionado – e voou para o exterior, muitos de seus principais apoiadores também renunciaram. Áñez, um legislador que estava vários degraus abaixo na escada da sucessão presidencial, foi subido à presidência interina.

Uma vez lá, ela torceu abruptamente as políticas da Bolívia para a direita e seu governo tentou processar Morales e uma série de seus apoiadores por terrorismo e sedição, alegando fraude eleitoral e opressão de protestos.

Mas o Movimento Morales pelo Socialismo continuou popular. Ele venceu as eleições do ano passado com 55% dos votos sob o candidato escolhido por Morales, Luis Arce, que assumiu a presidência em novembro. Áñez desistiu depois de cair nas pesquisas.

Dois ministros do governo de Áñez também foram presos na sexta-feira, incluindo o ex-ministro da Justiça, Álvaro Coimbra, que ajudou a liderar o processo contra os assessores de Morales. Um ex-ministro da Defesa e outros também foram acusados.

O novo ministro da Justiça, Iván Lima, disse que Áñez, 53, enfrenta acusações relacionadas a suas ações como senadora da oposição, não como ex-presidente.

O ministro do Interior, Eduardo del Castillo, negou que tenha sido um ato de perseguição, dizendo que o caso surgiu de uma denúncia criminal de conspiração e sedição movida contra ela em novembro, mês em que deixou o cargo.

O diretor da Human Rights Watch para as Américas, José Miguel Vivanco, disse de Washington que os mandados de prisão contra Áñnez e seus ministros “não contêm nenhuma prova de que tenham cometido o crime de terrorismo”.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1 Sergipe