Banco Central do Brasil faz aumento de 150 bps nas taxas de juros, sinaliza outro

BRASÍLIA, 8 de dezembro (Reuters) – O banco central do Brasil aumentou na quarta-feira as taxas de juros em 150 pontos base e sinalizou outro aumento semelhante em fevereiro, travando uma das batalhas mais agressivas do mundo contra a inflação, mesmo com a maior economia da América Latina entrando em recessão.

O comitê de fixação de taxas do banco, conhecido como Copom, decidiu por unanimidade aumentar sua taxa básica de juros para 9,25%, conforme previsão de todos os 31 economistas em pesquisa da Reuters. Os legisladores aumentaram a taxa sete vezes este ano, de 2,0% em janeiro.

Isso torna o atual ciclo de aperto monetário no Brasil o mais agressivo entre as principais economias, à medida que o banco central enfrenta a inflação de 12 meses em dois dígitos e os votos do presidente Jair Bolsonaro de aumentar os gastos com previdência em ano eleitoral.

Registre-se agora para acesso ilimitado GRATUITO a reuters.com

Embora reconheça a atividade econômica mais fraca do que o esperado e a incerteza sobre a variante do coronavírus Omicron, o Copom reforçou sua declaração de política, prometendo elevar as taxas “significativamente” em território restritivo.

“O Comitê vai persistir em sua estratégia até (consolidar) o processo de desinflação e as expectativas ancoradas em torno de suas metas”, escreveu o Copom no comunicado.

Marco Caruso, economista-chefe do Banco Original, considerou a declaração “muito dura”, sugerindo “taxas mais altas por mais tempo”.

Alguns economistas alertaram que a política fiscal mais frouxa saiu pela culatra para o governo ao forçar o banco central, cuja autonomia formal foi transformada em lei este ano, a aumentar as taxas de forma abrupta. Os custos de captação mais elevados contribuíram para uma ligeira contração econômica no segundo e terceiro trimestres. consulte Mais informação

READ  Infecções diárias por Covid na Indonésia são maiores do que na Índia e no Brasil | Indonésia

Uma moeda mais fraca, seca severa e preços de combustível mais altos ajudaram a empurrar os preços ao consumidor 10,7% mais altos nos 12 meses até meados de novembro. Essa é a inflação mais quente entre os países do G20, exceto a Argentina, que manteve as taxas de juros inalteradas em 2022, e a Turquia, que chocou os mercados ao cortar as taxas depois de aumentá-las no início deste ano. consulte Mais informação

Registre-se agora para acesso ilimitado GRATUITO a reuters.com

Reportagem de Marcela Ayres e Bernardo Caram Escrita de Brad Haynes Edição de Stephen Eisenhammer e Sonya Hepinstall

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe