A preguiça terrestre de Darwin era onívora oportunista, diz estudo

Nova pesquisa publicado no jornal Relatórios Científicos fornece a primeira evidência direta de onivoria em uma espécie de preguiça ancestral.

Reconstrução da preguiça terrestre de Darwin (Mylodon darwinii) alimentando-se da carcaça do herbívoro nativo de casco Macrauchenia. Esses mamíferos extintos vagavam pela paisagem pleistocênica da Patagônia e outras partes da alta e média latitude da América do Sul, como esta cena reconstruída de cerca de 12.000 anos atrás em frente à famosa Caverna Mylodon (Cueva del Milodón) no sul do Chile. Crédito da imagem: Jorge Blanco.

Mesmo que a seis espécies vivas de preguiça todos são habitantes de árvores herbívoros relativamente pequenos restritos às florestas tropicais da América Central e do Sul, centenas de espécies extintas de preguiça – algumas tão grandes quanto um elefante – vagavam por paisagens antigas do Alasca ao extremo sul da América do Sul.

Um desses gigantes, o Preguiça terrestre de Darwin (Mylodon darwinii), vivia na América do Sul entre 1,8 milhão e 12.000 anos atrás.

A espécie extinta tinha entre 3 e 4 m (10-13 pés) de comprimento e pesava entre 1 e 2 toneladas.

Com base nas características dentais, biomecânica da mandíbula, excrementos preservados de algumas espécies fósseis muito recentes e o fato de que todas as preguiças vivas são herbívoros, a preguiça terrestre de Darwin e seus parentes extintos há muito são considerados herbívoros.

“Se eles eram necrófagos esporádicos ou consumidores oportunistas de proteína animal não pode ser determinado em nossa pesquisa, mas agora temos fortes evidências que contradizem a suposição de longa data de que todas as preguiças eram herbívoros obrigatórios”, disse a Dra. Julia Tejada, pesquisadora do a Universidade de Montpellier, o Museu Americano de História Natural, a Universidade de Columbia, o Museu de História Natural-UNMSM.

READ  Regulador de saúde do Brasil rejeita unanimemente o uso de Coronavac em crianças e adolescentes

No estudo, os pesquisadores usaram uma abordagem inovadora chamada análise de isótopos específicos de compostos de aminoácidos.

Encontrados em diferentes proporções nos alimentos consumidos por um animal, os isótopos de nitrogênio estáveis ​​também são preservados em seus tecidos corporais, incluindo cabelos e outros tecidos queratinosos como as unhas, bem como no colágeno, como o encontrado nos dentes ou ossos.

Ao analisar primeiro os valores de nitrogênio de aminoácidos em uma ampla gama de herbívoros e onívoros modernos para determinar um sinal claro de comer uma mistura de alimentos vegetais e animais, os fósseis podem então ser medidos para determinar os alimentos que consumiram.

Isso oferece aos paleontólogos uma janela única diretamente na dieta dos animais, permitindo-lhes determinar seu nível trófico – sejam eles herbívoros herbívoros, onívoros de alimentação mista, carnívoros carnívoros ou consumidores especializados de animais marinhos.

“Os métodos anteriores se baseavam apenas em análises em massa de nitrogênio e fórmulas complexas que têm muitas suposições não testadas ou mal suportadas”, disse o Dr. John Flynn, pesquisador do Museu Americano de História Natural e da Universidade de Columbia.

“Nossa abordagem analítica e resultados mostram que muitas conclusões anteriores sobre os níveis trópicos são mal apoiadas na melhor das hipóteses, ou claramente erradas e enganosas na pior.”

Os cientistas usaram amostras de sete espécies vivas e extintas de preguiças e tamanduás, bem como de uma ampla variedade de onívoros modernos.

Enquanto a outra preguiça extinta no estudo, o Preguiça terrestre norte-americana (Nothrotheriops shastensis), foi determinado ser um herbívoro exclusivo, os dados sinalizaram claramente a preguiça terrestre de Darwin como onívora.

“Esses resultados, fornecendo a primeira evidência direta de onivoria em uma espécie de preguiça ancestral, exigem uma reavaliação de toda a estrutura ecológica das antigas comunidades de mamíferos na América do Sul, uma vez que as preguiças representaram um componente importante desses ecossistemas nos últimos 34 milhões de anos”, Dr. Disse Tejada.

READ  Presidente da Argentina pede cautela antes da Copa América

_____

JV Tejada et al. 2021. Dados isotópicos de aminoácidos indicam que a preguiça terrestre de Darwin não era herbívora. Sci Rep 11, 18944; doi: 10.1038 / s41598-021-97996-9

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário


Copyright © N1 Sergipe.
n1sergipe.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
N1 Sergipe