A poeira antiga da América do Sul ajuda a revelar novas pistas sobre o futuro do clima da Terra, dizem pesquisadores

Newswise – A poeira que foi depositada no sopé da Cordilheira dos Andes na Argentina nos últimos 1,15 milhão de anos ajuda a explicar como os padrões de vento mudaram e pode oferecer pistas do que está por vir com as mudanças climáticas da Terra, de acordo com uma nova pesquisa de uma equipe da Carolina do Sul e Arizona.

Alex Pullenprofessor assistente de engenharia ambiental e ciências da terra na Clemson Universityfez parte da equipe que encontrou poeira da época do Pleistoceno na depressão de Tafí del Valle, no lado leste dos Andes, vindo do oeste e noroeste, desafiando hipóteses anteriores de que ele soprava do leste e do sul.

“As pessoas achavam que entendiam as relações vento-poeira no Hemisfério Sul durante o Pleistoceno”, disse Pullen. “O que estamos aprendendo, principalmente com base em geologia, é que não é tão simples quanto todos pensavam.”

É um ponto crucial porque os ventos de oeste desempenham um papel importante na complexa dinâmica que molda a paisagem da América do Sul, incluindo quais áreas recebem chuva e quais se tornam desérticas.

Os ventos também influenciam a circulação das águas oceânicas que afetam o clima da Terra, disseram os pesquisadores. Uma melhor compreensão do paleoclima pode ajudar a explicar o clima atual da Terra e prever como será no futuro, disseram eles.

A equipe recentemente relatou suas descobertas em um artigo da Nature Communications intitulado, “Um vento de oeste dominou o Planalto de Puna durante a deposição de sedimentos loéssicos do Pleistoceno superior nos Andes subtropicais, América do Sul.”

“Este artigo demonstra que há um lar para os geólogos tradicionais na compreensão das mudanças climáticas modernas”, disse o coautor David L. Barbeau Jr., professor associado da Escola da Terra, Oceano e Meio Ambiente da Universidade da Carolina do Sul. .

READ  Bolsonaro elogia potencial de parceria de petróleo e gás com Guiana, Suriname – Sala de Notícias Guiana

“Ao estudar este sistema antigo, conseguimos obter algumas verdades – alguns dados concretos – que os cientistas podem usar para tentar modelar e entender diferentes sistemas climáticos no passado, no presente e no futuro.”

As descobertas levaram a equipe de pesquisa a concluir que os ventos de oeste no Pleistoceno, provavelmente durante intervalos mais frios como a última Idade do Gelo, estavam localizados em uma latitude várias centenas de quilômetros mais ao norte do que são hoje.

Identificar a origem da poeira em Tafí del Valle e combinar essa informação com o que mais se sabe sobre a região permite sugerir como os ventos mudaram ao longo do tempo, disse Jordan T. Abell, pós-doutorando da National Science Foundation no Departamento de Geociências. na Universidade do Arizona.

“Fornecemos evidências adicionais de que é provável que os ventos do oeste tenham mudado nos últimos milhões de anos, em resposta às mudanças climáticas, para levar a poeira a este local”, disse ele.

Os autores do artigo de Clemson foram Pullen, autor correspondente, ex-pesquisadores de graduação Austin Bruner e Madison Ward e a professora Mary Kate Fidler. Os da Universidade da Carolina do Sul foram Barbeau e Andrew L. Leier, ambos professores associados da Escola da Terra, Oceano e Meio Ambiente. Abell foi o único autor do Departamento de Geociências da Universidade do Arizona.

A equipe usou uma técnica chamada geocronologia de zircão detrítico para comparar amostras de zircão da seção Las Carreras de Tafí del Valle com amostras da planície do Chaco a leste, das áreas extra-andinas da Patagônia ao sul e do planalto de Puna a oeste e noroeste.

Os pesquisadores descobriram que as amostras do Planalto de Puna eram mais semelhantes às amostras de Tafí del Valle, enquanto as amostras da Planície do Chaco e áreas extra-andinas da Patagônia eram inadequadas para Tafí del Valle.

READ  30 Melhor Maquina De Corta Cabelo para você

Eles interpretaram os resultados como significando que o Planalto de Puna contribuiu com uma grande parte dos detritos depositados durante os períodos Pleistoceno e Holoceno, escreveram eles.

A época do Pleistoceno durou de cerca de 2,6 milhões a 11.700 anos atrás, e o Holoceno começou nesse ponto e segue até os dias atuais.

Barbeau disse que a pesquisa demonstra o valor de empregar a geocronologia de zircão detrítico para testar hipóteses de longa data sobre a fonte de sedimentos, especialmente depósitos movidos pelo vento na América do Sul.

“Isso abre as portas para abordar todos os tipos de questões importantes relacionadas ao paleoclima, o que pode nos ajudar a entender um pouco melhor o clima moderno e o clima futuro e as mudanças climáticas”, disse ele.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1SERGIPE.COM.BR PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
N1 Sergipe