A eleição de Portugal foi um avanço para André Ventura e para a extrema direita?

O presidente português, Marcelo Rebelo de Souza, foi reeleito por esmagadora maioria em 24 de janeiro, obtendo 61 por cento dos votos. O candidato independente Rebelo de Souza assumiu o poder há cinco anos com o apoio da coligação de centro-direita – contrapeso do Partido Socialista no parlamento português. Mas as recentes eleições podem ter perturbado esse delicado equilíbrio.

Depois que o popular titular vence com facilidade, o foco nem sempre é o candidato que ficou em terceiro lugar. Mas o político de direita Andre Ventura não é um candidato comum. Sua participação de 12 por cento na disputa pela presidência – uma posição amplamente simbólica – levanta a questão de saber se a extrema-direita está em ascensão em Portugal, que até agora se mostrou imune às táticas populistas usadas com sucesso em outras partes da Europa.

Até 2019, Portugal não tinha visto nenhum indício do populismo de extrema direita com o qual seus vizinhos lutaram nos últimos anos, especialmente a retórica anti-imigrante e os crescentes apelos por lei e ordem. O relativo sucesso de Ventura no domingo pode indicar uma mudança na maré, mas muito pode mudar antes das próximas eleições parlamentares.


Como Portugal chegou aqui?

O ex-comentador desportivo Ventura estreou-se na cena política portuguesa em 2017 como candidato do Partido Social-Democrata (PSD) de direita durante as eleições regionais de Lloris, nos arredores da capital portuguesa, Lisboa. Embora tenha perdido a eleição, Ventura ganhou um nome político abertamente e tem uma tendência a atiçar os debates politicamente carregados, como aqueles em torno dos acampamentos ciganos e da política de imigração.

Em 2019, Ventura estava exercendo influência política suficiente – e rivalizando com o PSD – para formar seu próprio partido chamado Chega, or Enough. O programa do partido baseava-se em ideais populistas, mas era leve em objetivos políticos. Naquele ano, Ventura ganhou uma cadeira no Parlamento.

READ  Cristiano monopoliza a crítica - Sports Finding

Foi a primeira vez que um candidato de um partido de extrema direita ganhou poder a nível nacional, marcando o fim de um período de excepcionalismo português em que o sentimento populista ganhava força em toda a Europa. “Essa representação mudou completamente o jogo da direita radical populista”, disse Mariana Mendes, chefe de teoria política da Universidade de Tecnologia de Dresden.

A vitória deu a Chega legitimidade e intriga suficientes para que Ventura atraísse cobertura regular da mídia. Como o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro e outras talentosas dançarinas políticas, Ventura usou a atenção da mídia para aprimorar sua retórica divisiva e ampliar seu público – e para agitar a campanha presidencial.


Como Ventura se encaixa na extrema direita global?

Ventura segue os passos de uma longa lista de políticos de direita radicais estabelecidos – eles chegaram a convidar o francês Marine Le Pen para se juntar a ele na campanha – mas seu populismo parece ser uma marca ligeiramente diferente do seu. Homólogos europeus.

Segundo Mendes, que estudou a ascensão da direita radical na Europa, os fatores sociais e econômicos que levaram ao populismo em outros lugares já existem em Portugal há anos. O surgimento de um partido como Chega e alguém como Ventura era apenas uma questão de tempo.

Em termos de ideologia, Chega incorpora algumas das marcas registradas dos grupos de extrema direita no século XXI: indígena, autoritarismo e populismo. Ventura plantou as sementes de sua vida política ao mirar os ciganos e demonizar os pobres, promovendo a necessidade da lei e da ordem e adotando uma postura anti-estabelecimento. Como se estivesse seguindo um roteiro, Ventura ganhou as manchetes ao twittar que a parlamentar negra deveria retornar ao seu país de origem, espelhando Trump e Bolsonaro antes dele.

Mas em Portugal, “o sentimento anti-establishment está desempenhando um papel mais importante” na extrema direita emergente do que em muitos outros países europeus, onde a retórica nacional anti-imigração é mais forte, diz Mendes. Os portugueses têm eles Subir de nível A maioria da população desconfia de sua democracia. Este descontentamento pode ser alimentado por um tipo único de populismo de extrema direita em Portugal que não se baseia principalmente no sentimento anti-imigrante.

READ  Brasil planeja organizar apostas esportivas até julho de 2022

O resultado de domingo foi surpreendente?

Os pesquisadores portugueses podem se elogiar, com os resultados eleitorais correspondendo aproximadamente às expectativas em um ponto percentual.

Rebelo de Sousa foi apelidado de “O Chefe do Carinho” devido ao seu temperamento amigável e ao hábito de tirar selfies com os adeptos. Seus altos índices de aprovação são perceptíveis em um país marcado pela apatia política e ceticismo, e ele venceu por uma margem confortável, ganhando quase 10 pontos a mais do que na primeira vez nas urnas em 2016.

Enquanto Ventura esperava levar a corrida para o segundo turno, ele não terminou em segundo. Mas ele aumentou sua participação no voto nacional de cerca de 1 por cento nas eleições parlamentares de 2019 para 12 por cento nas eleições presidenciais, e esse rápido aumento destacou a forte vitória de Rebelo de Souza.

A candidata em segundo lugar, a socialista Anna Gomez, recebeu apenas 13 por cento do total – uma percentagem menor dos votos em comparação com a candidata do partido na eleição anterior, mas ainda o suficiente para retratar a história de Portugal com a maior conquista de pontos percentuais. Candidato presidencial.


o que aconteceu depois disso?

Se a direita continuará a se levantar em Portugal com Ventura à frente, depende em grande parte se o líder enigmático é capaz de reunir apoio para seu partido. As eleições presidenciais de Portugal muitas vezes refletem a aprovação de um candidato e não de seu partido, que ocupa o centro do palco nas eleições parlamentares. A participação no domingo foi anormalmente baixa – cerca de 40% – provavelmente devido à pandemia do coronavírus ou a um eleitorado pouco entusiasmado.

READ  Ativistas dizem que China e Brasil têm os bancos centrais mais verdes do mundo

Muito pode acontecer antes das próximas eleições parlamentares portuguesas, marcadas para o final de 2023. Com um partido de direita radical no cenário político nacional, os partidos de centro-direita e de direita de Portugal têm duas opções: trabalhar com Chega para forjar uma anti-esquerda coalizão por meio de objetivos políticos comuns ou tentando distanciar os partidos extremistas da política dominante, recusando-se a formar uma aliança com eles – sob o risco de enfraquecer o poder de barganha da direita.

Se em qualquer outro lugar da Europa a trajetória da extrema direita fosse uma indicação, nenhuma das opções esmagaria completamente o movimento em Portugal. A Liga do Norte na Itália e a Fox na Espanha, ambos partidos de extrema direita com curta história política, mudaram-se da periferia para a corrente principal por meio de alianças com o centro. Por outro lado, a Alternativa de extrema-direita para a Alemanha conquistou apoio nos últimos anos, apesar de ser rejeitada pelos principais partidos conservadores.

A experiência da Irlanda, que até agora se manteve fora do controle da extrema direita, oferece outro cenário possível. Na eleição presidencial de 2018, o candidato independente Peter Casey despertou ressentimento há muito ocioso contra viajantes e beneficiários do bem-estar para ficar firmemente em segundo lugar. Mas sua tentativa de replicar o resultado nas eleições parlamentares do ano passado fracassou.

Então, uma onda sem precedentes de tendência à esquerda varreu o país, deixando pouco espaço para o populismo de direita. Mas, dado o estado moribundo da esquerda portuguesa, é improvável que Ventura desapareça atualmente.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1SERGIPE.COM.BR PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
N1 Sergipe