A Copa América está mais incerta do que nunca, enquanto a pandemia continua na América do Sul

Faltam oito semanas para o início da Copa América – se ela começar. O torneio está sendo co-organizado pela Argentina e pela Colômbia, e as dúvidas surgiram na noite de quinta-feira em uma entrevista de rádio concedida pelo presidente da Argentina, Alberto Fernandez.

– Soccer Americas no ESPN +: MLS, Liga MX, USMNT, USWNT, mais
– ESPN + guia do visualizador: Bundesliga, Serie A, MLS, FA Cup e mais

“Não quero frustrar o espetáculo que é a Copa América”, disse. “O que eu quero é que sejamos muito sensatos, muito cuidadosos” – uma referência à pandemia do coronavírus, que atualmente está em seu pior momento na América do Sul.

O número de mortos no Brasil está aumentando de forma alarmante, e a variante brasileira, mais facilmente transmissível e mais perigosa para os jovens, parece estar piorando a situação tanto na Argentina quanto na Colômbia.

“Temos tempo para ver como as coisas evoluem”, continuou Fernandez, “e para ver como podemos controlar o problema”.

Na quinta-feira, seu governo anunciou um toque de recolher na grande área de Buenos Aires. Na sexta-feira surpreenderam com um decreto repentino, determinando que os jogos de futebol da região poderiam começar até as 18h – repercutindo nos jogos do fim de semana na primeira divisão argentina e, ao que parece, nos jogos da próxima semana, quando o fase de grupos segue na Copa Libertadores.

O ministro dos Esportes da Colômbia, Ernesto Lucena, insistiu que a Copa seguirá conforme planejado. Mas também há problemas em seu país. A Colômbia está atualmente proibindo a entrada de aviões do Brasil, até mesmo voos charter transportando equipes esportivas. E o Brasil vai jogar seus jogos de grupo na Colômbia.

READ  FOTOS: animais do Zoológico de Brasília ganham 'presentes de natal' | Distrito Federal

Além disso, quase todas as seleções sul-americanas contam com jogadores que atuam no Brasil. É na esperança de resolver esse tipo de problema que a CONMEBOL, federação continental de futebol, anunciou recentemente que receberá 50 mil doses da vacina para proteger jogadores de alto nível contra o coronavírus. Isso é controverso; para alguns, é um passo necessário diante dos riscos que correm os jogadores de futebol e suas famílias, mas outros vêem isso como um salto de fila de ética duvidosa em uma região onde a escassez de vacinas é um problema.

Do ponto de vista da CONMEBOL, o programa de vacinação é visto como um aliado para garantir que um calendário desordenado siga em frente conforme o planejado. Mas se todos os jogadores podem ser vacinados, o que acontece com os apoiadores em potencial?

A CONMEBOL sofreu uma grande perda no ano passado – quando a Copa América estava originalmente programada para acontecer – e está ansiosa para fazer as pazes em 2021. Ela espera que os estádios da Copa América possam ser preenchidos até 30% de sua capacidade – e é bem possível que isso seja o pano de fundo para as dúvidas expressas por Fernandez.

Em quase todo o continente, incluindo Argentina e Colômbia, o futebol é jogado a portas fechadas desde o início da pandemia. Os governos desses países estão compreensivelmente relutantes em abrir uma exceção para a Copa América. Se alguns torcedores puderem assistir aos jogos durante o torneio, isso fortalecerá o lobby para um retorno aos estádios na temporada nacional. Olhando para as estatísticas de saúde, isso parece muito imprudente.

Provavelmente é significativo, então, que Lucena tenha dado sua opinião de que a Copa seguirá em frente “com ou sem torcida”. A grande possibilidade, então, é que a Copa América 2021 siga em frente. O futebol tem grande força política na América do Sul.

READ  Assista a um programa inédito de filmes do sudeste do Brasil

Mas o presidente da Argentina está usando seu poder político como ferramenta de barganha. Ele ressalta que a Copa será nos seus termos, que dificilmente incluirão torcedores dentro dos estádios.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1 Sergipe