A cidade turística do Brasil desaparecendo no mar

Emitida em: Modificado:

Atafona (Brasil) (AFP) – Abutres vagam pela areia do balneário brasileiro de Atafona em meio às ruínas das últimas casas destruídas pelo mar, cuja ascensão implacável transformou o litoral local em uma paisagem apocalíptica.

O Oceano Atlântico avança em média seis metros por ano nesta pequena cidade ao norte do Rio de Janeiro, que há muito é propensa à erosão extrema – agora exacerbada pelas mudanças climáticas.

O mar já submergiu mais de 500 casas, transformando a costa outrora idílica em um cemitério subaquático de estruturas destruídas.

Um dos próximos a perder a casa será João Acordado Peixoto.

Caminhando pelos escombros do que já foi a casa de seus vizinhos, ele olha para o que restou: um fragmento de um quarto pintado de azul repleto de revistas esfarrapadas, uma bicicleta e outros restos de vida.

“Quando teremos que sair? Isso é uma incógnita”, diz ele.

“O mar avançou três ou quatro metros em 15 dias. Nosso muro pode não durar até a próxima semana.”

O avô de Acordado Peixoto construiu a casa como casa de férias, um refúgio à beira-mar com quartos amplos e jardim.

Durante a pandemia do coronavírus, Acordado Peixoto e sua família se mudaram em tempo integral.

Mas agora parece inevitável que a casa seja engolida pelo mar.

“Será uma pena perder esta casa, porque guarda tantas lembranças de toda a minha família”, diz ele.

Erosão extrema

Atafona, uma cidade de cerca de 6.000 habitantes, há muito sofre com a erosão extrema. Faz parte dos quatro por cento das costas em todo o mundo que perdem cinco metros ou mais a cada ano.

READ  Brasil em alerta de seca enfrenta pior período de seca em 91 anos

O problema está sendo agravado pelo aquecimento global, que está elevando o nível do mar e tornando as correntes e os padrões climáticos mais extremos, diz o geólogo Eduardo Bulhões, da Universidade Federal Fluminense.

Mas Atafona tem um “problema crônico” há décadas, diz ele.

O rio Paraíba do Sul, cuja foz fica em Atafona, encolheu por causa da mineração, agricultura e outras atividades que o drenam a montante.

A cidade brasileira de Atafona, que abriga cerca de 6.000 pessoas, há muito sofre com a erosão extrema e faz parte dos quatro por cento das costas do mundo que perdem cinco metros ou mais a cada ano MAURO PIMENTEL AFP

“Nos últimos 40 anos, isso reduziu drasticamente o volume do rio, o que significa que ele transporta menos areia para Atafona”, diz Bulhoes.

Com menos areia, as praias da vila deixaram de se regenerar naturalmente, cedendo terreno ao mar.

A construção na costa só agravou o problema, ao arrancar dunas e vegetação, as defesas naturais das praias.

O resultado foi desastroso para as indústrias de turismo e pesca.

“Barcos grandes não podem mais passar pelo delta do rio… e o dinheiro desapareceu junto com eles”, diz Elialdo Bastos Meirelles, chefe de uma comunidade de pescadores local de cerca de 600 pessoas.

“O rio está morto.”

‘Abandonado’

As autoridades locais estudaram vários planos para conter a erosão, incluindo a construção de diques para reduzir a força das ondas do oceano e o transporte de areia do delta do rio para a praia.

Bulhões, o geólogo, propôs o último, que se baseia em iniciativas semelhantes na Holanda, Espanha e Estados Unidos.

Mas os projetos existem apenas no papel até agora.

As autoridades locais estudaram planos para conter a erosão na cidade brasileira de Atafona, incluindo a construção de diques para reduzir a força das ondas do oceano e o transporte de areia do delta do rio para a praia, mas os projetos existem apenas no papel até agora
As autoridades locais estudaram planos para conter a erosão na cidade brasileira de Atafona, incluindo a construção de diques para reduzir a força das ondas do oceano e o transporte de areia do delta do rio para a praia, mas os projetos existem apenas no papel até agora MAURO PIMENTEL AFP

O subsecretário de meio ambiente do condado, Alex Ramos, disse à AFP que ninguém ainda apresentou uma solução definitiva e que qualquer plano teria que obter a aprovação dos reguladores ambientais primeiro.

READ  Formiga, o jogador mais internacional do Brasil, a se aposentar do futebol internacional, Sports News

Enquanto isso, o município lançou um programa de assistência social que paga 1.200 reais (US$ 230) por mês a mais de 40 famílias que perderam suas casas devido à erosão.

Mas os críticos acusam o governo local de falta de vontade política.

“Continuamos ouvindo promessas”, diz Verônica Vieira, chefe da associação de moradores SOS Atafona.

“Mas esta cidade foi abandonada. É um apocalipse. Dá vontade de chorar.”

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1SERGIPE.COM.BR PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
N1 Sergipe